Bolsonaro atinge seu pior momento desde a chegada na presidência

A crise dentro do PSL esta semana, exposta por bate-boca público entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente nacional da legenda, deputado Luciano Bivar (PE), está inserida num contexto político que parece desenhar um horizonte politicamente cada vez mais instável para o chefe do Executivo no Congresso Nacional

O histerismo ideológico do clã Jair Messias e seus seguidores
O histerismo ideológico do clã Jair Messias e seus seguidores (Foto: Tânia Rêgo - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Rede Brasil Atual - A crise dentro do PSL esta semana, exposta por bate-boca público entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente nacional da legenda, deputado Luciano Bivar (PE), está inserida num contexto político que parece desenhar um horizonte politicamente cada vez mais instável para o chefe do Executivo no Congresso Nacional. Esse contexto já aponta para as eleições municipais de 2020 e mesmo para as eleições gerais de 2022. A depender dos movimentos dos atores no tabuleiro, Bolsonaro pode ficar cada vez mais isolado e o ano terminar para ele com um cenário obscuro.

Alguns sinais são significativos. O primeiro: no contexto da crise, um grupo de apenas 20 deputados federais do PSL assinou uma carta de apoio a Bolsonaro esta semana. No grupo dos 20, que representa 38% da bancada do partido, nota-se a ausência de nomes como a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP).

Para o próprio PSL, não interessa que Bolsonaro deixe a sigla, o que, em tese, dificultaria em muito o desempenho da legenda nas eleições municipais. Tanto que, nesta quinta-feira (10), o presidente da sigla já amenizou o tom contra o verdadeiro “chefe” do partido. “O presidente é uma pessoa sensata e não há nada que não se corrija ao longo de um processo político”, disse Bivar, em entrevista ao Congresso em Foco. Mas, mesmo que contornada, a crise expõe a instabilidade da base do Planalto no próprio PSL, o que, aliás, não é fato recente.

O sinal mais emblemático e importante, porém, foi a presença de ninguém menos do que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na terça-feira (8), no lançamento de projeto de reforma tributária da oposição. Na ocasião, Maia declarou que “o sistema tributário é nitidamente injusto”. Também afirmou que o sistema brasileiro “atende mais aos interesses individuais do que coletivos”.

O evento não foi prestigiado apenas por Maia, mas contou com a presença também do deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), do Centrão, relator da PEC 45/19, o projeto de reforma tributária elaborado pelo economista Bernard Appy e apresentado pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Os gestos e movimentos de presidente da Câmara, Rodrigo Maia, parecem indicar um afastamento calculado de Bolsonaro, inclusive com os olhos nas eleições futuras.

Para a cientista política Maria do Socorro Sousa Braga, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), o evento da Câmara “mostra um reforço dos setores políticos contrários a Bolsonaro”. Mais do que isso: “Parece que o establishment está se posicionando contra um presidente que foi eleito com a bandeira do anti-establishment”.

Na opinião da professora, o Legislativo já deveria ter feito um movimento mais forte nesse sentido. “Mas isso pode sinalizar ainda que não tem ambiente para uma extrema-direita no Brasil.”

O quadro, para Bolsonaro, parece cada vez mais instável. “Ele já não conta com o Centrão, como queria. E a gente sabe que não tem nem a base no PSL unida em torno dele, o que traz mais instabilidade ainda ao governo”, diz Maria do Socorro.

Ela lembra que o movimento do Centrão não é recente. Durante o processo de tramitação da reforma da Previdência na Câmara, por exemplo, deputados da própria oposição declararam que o grupo foi fundamental para que o governo fosse derrotado em vários pontos do texto original da reforma, como a questão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e aposentadoria rural, entre outros.

“Vamos lembrar que o DEM faz parte do Centrão. O DEM está querendo se cacifar pra 2022. Os movimentos estão se acentuando no sentido de o partido se aproximar do MDB e mesmo do PSDB, para fortalecer um centro. Isso pode ser interpretado como um movimento para se afastar de Bolsonaro”, avalia a cientista política.

Ela observa também que o sistema partidário passa por momento de reaglutinação, com vistas às eleições de 2020. “A tendência é levar à fusão de forças, porque não haverá coligação no ano que vem.” Em 2017, o Congresso aprovou emenda constitucional que decretou o fim das coligações proporcionais a partir das eleições de 2020.

Para a professora da Ufscar, novos fatos vão mostrar se o possível afastamento, sinalizado por grupos políticos poderosos como o Centrão e por um líder do peso de Rodrigo Maia, se consolida, mesmo que paulatinamente. O andamento da chamada PEC paralela da Previdência no Senado e o projeto anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro, podem ser definidores do posicionamento dos partidos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247