Bolsonaro quis demitir Moro, mas Heleno o impediu

Em agosto de 2019, após Sérgio Moro criticar decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, sobre o Coaf que beneficiava Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro decidiu demitir o ministro. Augusto Heleno, porém, o convenceu a voltar atrás

Jair Bolsonaro, Sérgio Moro e Augusto Heleno
Jair Bolsonaro, Sérgio Moro e Augusto Heleno

247 - Após o ministro da Justiça, Sérgio Moro, criticar uma decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca do Coaf que beneficiava o senador Flávio Bolonaro, seu pai, Jair Bolsonaro, decidiu demitir o ex-juiz. Porém, o ministro Augusto Heleno o convenceu a voltar atrás, de acordo com informações do livro Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos, da jornalista Thaís Oyama.

Segundo o livro, Bolsonaro se enfureceu quando soube que Moro pediu a Toffoli que reconsiderasse uma liminar que paralisava investigações que utilizavam dados do Coaf, sendo o caso Queiroz, envolvendo Flávio Bolsonaro, um deles.

Augusto Heleno teria dito a Bolsonaro que a demissão de Moro implodiria o governo. “Se demitir o Moro, o seu governo acaba”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247