Chanceler brasileiro, lamenta apoio da China e da Rússia à Venezuela

"Maduro sobrevive hoje por determinados apoios externos", disse o chanceler Ernesto Araújo, que assumiu uma postura de total submissão do Brasil a Washington

(Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Agência Brasil – O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, disse hoje (23) que o Grupo de Lima, do qual o Brasil faz parte, não pretende afrouxar "a pressão pela democracia na Venezuela". O ministro disse ainda que Nicolás Maduro se mantém no poder por possuir apoios externos. As declarações foram dadas após o encerramento da reunião do grupo, em Buenos Aires.

"Maduro sobrevive hoje por determinados apoios externos. Acho que essa declaração [do Grupo de Lima feita na reunião desta terça-feira] deixa mais difícil, para os países que apoiam Maduro, continuarem a apoiar. Fica claro que é um regime que atenta dramaticamente contra os direitos humanos. Isso faz parte de uma realidade que todo o continente está preocupado. Nós não vamos afrouxar essa pressão pela democracia na Venezuela", disse Araújo.

O Grupo de Lima é composto por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Paraguai, Peru e Venezuela. Após o encontro de hoje foi divulgada uma declaração oficial, onde os representantes expressaram seu apoio ao autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

O chanceler brasileiro reforçou a importância do grupo e disse que houve um consenso de que o tema da Venezuela é uma preocupação regional.

Em relação a uma possível intervenção no país, Araújo afirmou que essa questão não esteve presente na discussão. "Nossa percepção é de que se precisa resolver essa questão, devolver a democracia à Venezuela, para que toda a América Latina rume para consolidar a democracia e a prosperidade".

Na declaração, o Grupo de Lima afirmou repudiar a candidatura da Venezuela a um assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU e expressou apoio à candidatura brasileira.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247