Cheiro de nova CPMF assanha governo

Em prática habitual decorrente da falta de projeto, a movimentação no Congresso para aumentar a carga tributária começou com as negações de praxe; o presidente da comissão especial sobre reforma tributária na Câmara, o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) diz que a nova CPMF proposta pelo presidente do PSL, Luciano Bivar, não ira prosperar em sua Comissão, mas é evasivo e diz que a proposta pode ser "apensada" às já existentes

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em prática habitual decorrente da falta de projeto, a movimentação no Congresso para aumentar a carga tributária começou com as negações de praxe. O presidente da comissão especial sobre reforma tributária na Câmara, o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) diz que a nova CPMF proposta pelo presidente do PSL, Luciano Bivar, não ira prosperar em sua Comissão, mas é evasivo e diz que a proposta pode ser "apensada" às já existentes.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca trechos da fala de Rocha: "a proposta visa à volta da CPMF. Não é muito bem-vista [no Congresso]. Não é muito bem-vista por quase ninguém. Acho que é muito difícil você aprovar uma proposta que já foi rejeitada lá atrás. A população não gosta muito desse tipo de tributo. Aumenta a carga tributária mesmo que tenha uma alíquota baixa. Não acredito que prospere em razão disso."

A matéria ainda acrescenta mais um argumento do emedebista: "não seria uma simples simplificação, seria um aumento de carga. Hoje a principal proposta é do Baleia, porque ela gerou a comissão especial. Ela está no comando das decisões. As demais têm de ser apensadas a ela."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247