Maia diz que PEC Emergencial é prioridade e indica acordo com o governo sobre reforma tributária

Sem consenso em torno do texto da reforma tributária, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a prioridade é votar a PEC Emergencial, que reduz benefícios de servidores

Rodrigo Maia
Rodrigo Maia (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Sem consenso em torno do texto da reforma tributária, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira, 8, que a prioridade é votar a PEC Emergencial, que reduz benefícios de servidores.

Maia defendeu a PEC Emergencial e afirmou que, se tivesse que escolher uma proposta para votar neste ano, optaria pelo texto que prevê as medidas de ajuste.

“Mesmo com toda paixão, trabalho e energia que eu tenho com a PEC 45 [tributária da Câmara], se você mandasse escolher uma, eu diria para você que a PEC Emergencial é a reforma das reformas no curto prazo de 2020”, disse.

Ele ressaltou, porém, que o governo federal e o Congresso estão chegando perto de um acordo em torno da reforma tributária de Guedes. “Acho que está muito mais perto de um acordo do que de não acordo. Agora, sem acordo, ela não sairá”, afirmou Maia.

“Hoje nós temos, como o ministro falou, algumas divergências e todos sabem quais são. Mas nós temos que ter a maturidade e a compreensão que nós temos que sentar na mesa e construir os caminhos para que a gente possa também ter um sistema tributário moderno”, ressaltou.

Após trocarem farpas entre si, o ministro Guedes e Maia se reconciliaram esta semana após uma articulação dos senadores Renan Calheiros (MDB), que tem se aproximado do governo Bolsonaro, e Kátia Abreu (PP).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247