Marcelo Castro: PEC deve ser protocolada com prazo de quatro anos

De acordo com o relator-geral do Orçamento, parlamentares estão sendo informados sobre a “inviabilidade técnica” da proposta vigorar por apenas um ano

www.brasil247.com - Marcelo Castro
Marcelo Castro (Foto: Alessandro Dantas - Agência Senado)


Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O relator-geral do Orçamento, senador Marcelo Castro (MDB-PI), disse à Reuters nesta segunda-feira que a PEC da Transição provavelmente será protocolada com duração de quatro anos, mas ressaltou que o Congresso Nacional tem liberdade para alterar o prazo.

“Provável que a PEC será apresentada com quatro anos de vigência, mas o Congresso tem autonomia para discutir”, afirmou ele.

Castro destacou que senadores estão sendo informados sobre a “inviabilidade técnica” da proposta vigorar por apenas um ano. Segundo ele, se isso ocorrer, uma nova PEC teria de ser aprovada já no início do próximo ano para garantir o Bolsa Família em 2024.

Conforme a Reuters mostrou na semana passada, aliados do novo governo e integrantes da equipe de transição admitem que o prazo de vigência da PEC que excepcionaliza o teto de gastos para garantir o Bolsa Família no valor de 600 reais, entre outros pontos, possa ficar em dois anos.

O senador disse que a PEC será um dos temas da reunião desta segunda no início da noite da bancada do MDB com o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva no CCBB, sede da transição de governo em Brasília.

Castro reafirmou que a PEC deve ser protocolada na terça-feira.

“Eu tenho pressa porque eu preciso fazer o relatório do Orçamento”, disse ele. “Não temos mais tempo”, frisou.

Castro não quis dizer o valor que vai colocar na PEC para ficar fora do teto de gastos.

Mas ressaltou que uma das propostas em discussão, a do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), de abrir uma exceção no teto de 85 bilhões é insuficiente e repetiu a necessidade de um piso de 100 bilhões de reais que pudesse contemplar o Orçamento do próximo ano, em linha com entrevista concedida à Reuters na semana passada.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247