Ministra da Agricultura acusa imprensa de crime de lesa-pátria no caso Amazônia

Em evento da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Tereza Cristina classificou como "exagero" a repercussão dada ao aumento de 83% no número de queimadas na Amazônia, segundo o Inpe. "Ele existe e o Brasil sabe disso, tem preocupação com as queimadas que acontecem todos os anos. Mas é um oportunismo dizer que tem relação com os produtos brasileiros”, declarou a ministra

Tereza Cristina, ministra da Agricultura
Tereza Cristina, ministra da Agricultura (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, chamou, nesta segunda-feira (26), de “histeria” a divulgação do aumento de queimadas e desmatamento na Amazônia e culpou a imprensa brasileira pela repercussão mundial. Segundo ela, os jornalistas estão cometendo “crime de lesa-pátria” ao culpabilizar a política ambiental complacente do governo Bolsonaro com a devastação da Floresta Amazônica e crê que boicotes internacionais são possíveis.

“Eu não posso descartar, não sou eu quem faz o boicote. Podem ser eles. Mas não existe nenhuma relação entre um problema na Amazônia, que acontece todos os anos, com o exagero que foi colocado nesse problema. Ele existe e o Brasil sabe disso, tem preocupação com as queimadas que acontecem todos os anos. Mas é um oportunismo dizer que tem relação com os produtos brasileiros”, declarou a ministra, uma das lideranças da Bancada Ruralista, em evento da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Ela criticou os países que condenaram o governo Bolsonaro, retiraram recursos e prometeram boicote. Segundo ela, o presidente francês, Emmanuel Macron, é um “oportunista”. “Os recursos que são enviados para o Brasil nem sempre dão para o que é necessário, que acho que é a fiscalização. Se querem preservar a Amazônia, coloquem mais dinheiro aqui para ajudar nessa preservação, mas não pode interferir na soberania do nosso país”, declarou.

Continue lendo na Fórum

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247