Moro sobre 'in Fux we trust': posso ter dito, não lembro

Ministro Sergio Moro, que diz insistemente não reconhecer a veracidade das mensagens publicadas pelo Intercept, afirma que a declaração dita por ele ao procurador Deltan Dallagnol "In Fux we trust" seria "uma paródia do dólar americano"; "Se é que eu disse", completou

(Foto: Agência Câmara/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, comentou em audiência na Câmara nesta terça-feira 3 sua declaração feita ao procuardor Deltan Dallangol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, demonstrando confiança no ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal.

"In Fux we trust", escreveu Moro a Dallagnol em uma mensagem de texto pelo aplicativo Telegram, segundo reportagem do site The Intercept, após ter lido um relato do procurador que teria conversado com o magistrado e recebido seu apoio enfático na Lava Jato (lembre aqui).

"Posso ter dito, não lembro", afirmou Moro na Câmara sobre a mensagem. Em seu depoimento na sessão com integrantes de três comissões da Casa, ele insiste em não reconhecer a veracidade das mensagens publicadas pelo Intercept. 

Em seguida, no entanto, disse que a suposta declaração feita por ele seria "uma paródia do dólar americano", e que por isso teve o "we" (nós). "Se é que eu disse", completou.

Essa não foi a única ocasião em que Moro deu satisfações sobre mensagens que ele diz acreditar terem sido adulteradas. O ministro também tentou explicar o que teria dito sobre o desempenho de uma procuradora do MPF, integrante da Lava Jato.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247