Mortalidade infantil no DF é a menor em 16 anos

O Distrito Federal registrou em 2015 a menor taxa de mortalidade infantil dos últimos 16 anos: 10,6 óbitos por mil nascidos vivos — queda de 26,4% em relação ao ano 2000; do total de 487 mortes registradas no ano passado, 77% ocorreram no período neonatal (até 27 dias de vida); já quanto à causa dos óbitos, as afecções perinatais — complicações de saúde que surgem antes, durante ou logo após o parto — correspondem a 62,4% das ocorrências; a segunda maior causa de mortalidade foram as malformações congênitas, correspondendo a 25,9% do total

O Distrito Federal registrou em 2015 a menor taxa de mortalidade infantil dos últimos 16 anos: 10,6 óbitos por mil nascidos vivos — queda de 26,4% em relação ao ano 2000; do total de 487 mortes registradas no ano passado, 77% ocorreram no período neonatal (até 27 dias de vida); já quanto à causa dos óbitos, as afecções perinatais — complicações de saúde que surgem antes, durante ou logo após o parto — correspondem a 62,4% das ocorrências; a segunda maior causa de mortalidade foram as malformações congênitas, correspondendo a 25,9% do total
O Distrito Federal registrou em 2015 a menor taxa de mortalidade infantil dos últimos 16 anos: 10,6 óbitos por mil nascidos vivos — queda de 26,4% em relação ao ano 2000; do total de 487 mortes registradas no ano passado, 77% ocorreram no período neonatal (até 27 dias de vida); já quanto à causa dos óbitos, as afecções perinatais — complicações de saúde que surgem antes, durante ou logo após o parto — correspondem a 62,4% das ocorrências; a segunda maior causa de mortalidade foram as malformações congênitas, correspondendo a 25,9% do total (Foto: Leonardo Lucena)

DA AGÊNCIA BRASÍLIA - O Distrito Federal registrou em 2015 a menor taxa de mortalidade infantil dos últimos 16 anos: 10,6 óbitos por mil nascidos vivos — queda de 26,4% em relação ao ano 2000. Do total de 487 mortes registradas no ano passado, 77% ocorreram no período neonatal (até 27 dias de vida). Já quanto à causa dos óbitos, as afecções perinatais — complicações de saúde que surgem antes, durante ou logo após o parto — correspondem a 62,4% das ocorrências. A segunda maior causa de mortalidade foram as malformações congênitas, correspondendo a 25,9% do total.

Os dados constam do Boletim Epidemiológico de Mortalidade Infantil 2015, produzido pela Gerência de Informação e Análise de Situação e a Gerência de Ciclos de Vida, ambas da Subsecretaria de Vigilância à Saúde, da pasta de Saúde. O subsecretário Tiago Coelho atribui a redução desse índice ao aperfeiçoamento das políticas de saúde no DF nos últimos cinco anos, que seguiram a Política Nacional de Atenção Integrada à Saúde da Criança.

De acordo com o informativo da secretaria, o uso de leite materno doado para os prematuros internados nas unidades neonatais também contribuiu para reduzir a mortalidade infantil, já que o alimento é fator protetivo à saúde desses recém-nascidos.

A coordenadora dos Bancos de Leite Humano do Distrito Federal, Miriam Santos, avalia que Brasília chegou a esse patamar porque a Saúde trabalhou de forma conjunta, da atenção básica à hospitalar. “Nesse período, o DF teve aumento do saneamento básico e melhorias na educação, e tudo isso contribui e reflete de forma direta na diminuição da taxa de mortalidade infantil.” Segundo Miriam, em 2000, a capital federal já apresentava a taxa de 14,4 — marco alcançado pelo Brasil somente 12 anos depois.

*COM INFORMAÇÕES DA SECRETARIA DE SAÚDE

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247