Nardes, que acusou Dilma de "pedaladas fiscais", propõe suspensão do teto de gastos por cinco anos

Ministro do Tribunal de Contas da União quer "pacto nacional" por obras em infraestrutura

www.brasil247.com - Ministro das pedaladas recebia mesada de empresário
Ministro das pedaladas recebia mesada de empresário (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)


247 – O ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União, que foi o relator da tese das "pedaladas fiscais", utilizada no golpe de estado contra a ex-presidente Dilma Rousseff, processo que deteriorou praticamente todos os indicadores econômicos e sociais do Brasil, agora propõe a suspensão do teto de gastos – medida implantada por Michel Temer após o golpe – por cinco anos.

"Em reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), na quinta-feira, o ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU), sugeriu que o Congresso lidere um 'pacto nacional' pelo investimento maciço em infraestrutura, que seria viabilizado por meio da derrubada do teto de gastos por um período entre três e cinco anos, no total", aponta reportagem publicada no jornal Valor.

"A conversa, da qual também participou a presidente do TCU, Ana Arraes, aconteceu durante a entrega do relatório anual de fiscalização de obras, o Fiscobras, elaborado pelo tribunal. A ideia chega num momento em que os indicadores de risco do país sofreram uma forte piora justamente porque os agentes do mercado entenderam que o governo está propondo ‘furar’ o teto, tido como um forte pilar da política fiscal e econômica do país, sem o qual a inflação pode sair do controle e o juro ficar persistentemente maior. Nardes disse ao Valor que Pacheco ficou de avaliar a proposta", aponta ainda a reportagem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email