Políticos condenam Bolsonaro por demora no pagamento aos trabalhadores: “pandemia tem um aliado”

“É absurda a lentidão de Bolsonaro no que se refere ao pagamento da Renda Básica", cobrou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) chamou de “enrolação” o adiamento da publicação no Diário Oficial

www.brasil247.com -
(Foto: Agência Câmara | PR)


Por Nathalia Bignon, para o 247 - Após adiar, mais uma vez, a oficialização do auxílio emergencial que irá beneficiar trabalhadores brasileiros durante a pandemia do coronavírus, Jair Bolsonaro voltou a dar munição para que políticos o criticassem nesta quinta-feira (2).  

Já sancionada, Bolsonaro disse que não publicará a lei que prevê a disponibilização do recurso até que o Congresso Nacional vote uma nova Medida Provisória que garanta a legalidade do gasto extra e a indicação da fonte de onde virá o dinheiro. Desde que o estado de calamidade foi reconhecido no Brasil, no entanto, gastos extras para emergências já estão autorizados pelo Legislativo e pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

“É absurda a lentidão de Bolsonaro no que se refere ao pagamento da Renda Básica criada pelos senadores e deputados federais. Aparentemente, deseja o caos para ‘ter razão’ e tentar convencer os militares a irem para as ruas. Isso explica os vídeos que ele insiste em postar”, disse o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), citando o vídeo publicado hoje, que mostra uma apoiadora pedindo a Bolsonaro a reabertura do comércio e o "Exército nas ruas". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aliado do governador, o vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA), afirmou que o presidente trata como aliada a doença que já atinge 7 mil pessoas e fez quase 300 mortos no país. “Coronavírus avança no Brasil e o presidente Jair Bolsonaro continua entre desastrado, irresponsável, incompetente e objetivamente criminoso em várias situações. A guerra, que é o combate à pandemia, não tem na presidência da República um comandante. A pandemia tem lá um aliado”, comentou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ) chamou de “enrolação” o adiamento da publicação no Diário Oficial. “E nada de o governo publicar a medida que institui a Renda Mínima! Já tem três dias que o Congresso aprovou a lei que ajudará os brasileiros que passam fome. O governo de Bolsonaro não leva essas pessoas a sério! Quanta enrolação!”, definiu.

Deputado federal eleito pelo PSOL, Marcelo Freixo (RJ) pediu que o Governo pare de tratar o assunto com irresponsabilidade. “A epidemia da fome está se espalhando e o governo precisa agir imediatamente! Esse descaso custará a vida de milhares de brasileiros. Bolsonaro já tem na mão os dados de todos os cadastrados no CadÚnico e no Bolsa Família, essas pessoas já deveriam estar recebendo”, disse. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Rápido para tirar direitos dos trabalhadores e lerdo para pagar o povo. Assim é o Governo Bolsonaro. Ainda não publicou no Diário Oficial e fica inventando desculpa para não pagar a Renda Básica ao povo. Mas já publicou MP que autoriza empresas a cortar salários de empregados durante a pandemia”, apontou o deputado federal Assis Carvalho (PT-PI), referindo-se à MP 936, que possibilita o corte salarial de até 70%, a suspensão do contrato de trabalho e do benefício emergencial. 

André Figueiredo (PDT-CE) foi mais um parlamentar a criticar a falta de prioridades da gestão. “Impressionante a lentidão e o despreparo do Governo Federal em agilizar ações que minimizem o sofrimento do povo brasileiro . Quanta demora pra sancionar uma Lei que vai conceder R$ 1200 às famílias que mais precisam!”, declarou.

Atual líder da minoria no Senado Federal, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que o presidente mente à população. “O governo mente! Não há justificativa para não pagar imediatamente o Renda Básica. O estado de calamidade já foi reconhecido pelo Congresso e gastos extras estão autorizados. Além disso, já há decisão do STF pela legalidade desses gastos!”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entenda o caso

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou no último dia 26 de março o pagamento do auxílio a desempregados, trabalhadores autônomos, informais e mães solteiras por três meses, no valor de R$ 600. No dia 29, o projeto foi aprovado por unanimidade no Senado Federal e seguiu para sanção presidencial, só concedida no fim da última quarta. 

Após anunciar a sanção, no entanto, Bolsonaro disse que ainda não publicaria o PL à espera de que o Congresso vote uma nova Medida Provisória que garanta a legalidade do gasto extra, já que o auxílio sairá dos cofres do governo. O presidente argumentou que o Congresso tem que autorizar a criação de novas despesas, apontando a fonte de onde sairá o recurso.

"Assinei ontem [quarta], estava aguardando outra medida provisória, porque não adianta dar um cheque sem fundo. Tem que ter o crédito também", afirmou o presidente, que prometeu enviar ainda hoje a MP ao Congresso. 

Ao contrário do que diz o presidente, gastos extras estão autorizados desde que o Congresso reconheceu o estado de calamidade, no dia 20 de março. O Supremo Tribunal Federal (STF) também definiu que, na atual situação, os gastos são legais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email