PT apresenta proposta para garantir que micros e pequenas empresas sobrevivam à pandemia

Partido apresentou no Congresso um projeto voltado a garantir o emprego e a renda – e viabilizar as MPEs – chamado ‘Ninguém demite ninguém’. “O trabalhador tem que parar em tempos de pandemia, a empresa tem que parar, mas a economia precisa continuar viva”, defende a economista Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social

(Foto: Sérgio Amaral)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do PT na Câmara - Chamado ‘Ninguém demite ninguém’, projeto apresentado ao Congresso garante emprego e renda a trabalhadores e assegura capital de giro para as empresas. “A economia precisa continuar viva, mas as pessoas precisam estar seguras e salvas em casa”, explica Tereza Campello.

As micro e pequenas empresas estão sendo duramente atingidas pela crise gerada pelo coronavirus, mas a falta de estímulos adequados pelo governo está piorando a situação do setor. A reação lenta do governo Bolsonaro criou dificuldades para que bancos e instituições financeiras assegurem crédito e capital de giro para dar suporte às empresas nesses tempos de pandemia. Segundo o Sebrae, as micro e pequenas empresas respondem por 52% dos empregos com carteira assinada, o que equivalente a 16,1 milhões de postos de trabalho.

O PT apresentou no Congresso um projeto voltado a garantir o emprego e a renda – e viabilizar as MPEs – chamado ‘Ninguém demite ninguém’. “O trabalhador tem que parar em tempos de pandemia, a empresa tem que parar, mas a economia precisa continuar viva”, defende a economista Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social no governo Dilma Rousseff.

Ela argumenta que as microempresas e empresas de pequeno porte correm o risco de falir porque, sem vender, não têm como pagar seus empregados, fornecedores e aos bancos. Se falirem, desempregarão ainda mais. “A solução não é ir contra a ciência e acabar com a quarentena”, pondera Tereza. “A solução é o governo federal apoiar as MPEs para que elas possam preservar empregos e se manterem ativas quando a crise passar”.

Garantia de sobrevivência econômica

A essência do programa ‘Ninguém demite ninguém’ é garantir a sobrevivência econômica de todos durante o período de isolamento social, priorizando vidas antes de qualquer coisa. “Nós acreditamos que o papel do governo agora é manter o trabalhador em casa, com segurança quanto à sua renda, e permitir às empresas arcar com os custos mesmo diante da redução de receita pelo fechamento temporário dos negócios”, defende a economista. Ela insiste que a economia precisa ser garantida pelo Estado durante o período crítico da pandemia para que a vida das pessoas fique preservada.

Para as MPEs o programa assegura que Estado pague 100% do salário dos trabalhadores que ganham até 3 salários mínimos – o equivalente a R$ 3.135. Pelo projeto do PT, as micro e pequenas empresas ficam obrigadas a pagar ao empregado os 25% residuais do salário, podendo utilizar operações de crédito de garantia de emprego. “A condição é não demitir durante o período de restrições ao funcionamento”, lembra Tereza.

Outra medida importante do programa prevê a criação de uma linha de garantia de capital de giro e emprego, com prazo de carência de, no mínimo, 12 meses, e prazo de amortização de 60 meses. “Esses prazos ajudarão as empresas a enfrentarem o período mais crítico de paralisia da atividade econômica”, explica a ex-ministra.

Suspensão de impostos, luz e água

Por fim, o PT propõe a suspensão de cobrança de impostos, encargos sociais e taxas para MEIs, micro, pequenas e médias empresas e para as famílias durante o período de quarentena e emergência sanitária. Outra medida asseguraria a suspensão de cobrança de água e energia elétrica e demais serviços públicos para residências e para micro, pequenas e médias empresas durante o mesmo período. “Com essas medidas, salvamos empresas, empregos e aceleramos a recuperação”, avalia.

Além das pessoas contaminadas pelo coronavírus, correm risco três grandes grupos: assalariados com registro em carteira; micro, pequenos e médios empresários; e municípios e estados. “Os primeiros porque estão sendo vitimados por demissões em massa, suspensão de contratos de trabalho ou não pagamento dos salários por seus patrões. Ficarão sem dinheiro a curtíssimo prazo, até para comer”, pondera Tereza Campello.

Ela lembra que municípios e estados já esgotaram capacidade financeira com o brutal aumento de despesas na saúde pública e com operações de socorro solidário às suas populações. “Diferentemente da União, não podem se endividar, muito menos emitir dinheiro. Se ficarem sem dinheiro, terão que reduzir muito os serviços públicos”, observa.

Tereza considera que se essas “mortes” não forem imediatamente impedidas, o vírus terá campo ainda mais livre para matar pessoas. “Haverá crise de abastecimento, fome, aumento da insalubridade, colapso do atendimento do SUS e pânico, levando a soluções individuais que desmontam a quarentena”, adverte. Tais condições são o terreno ideal para um grande repique da pandemia e da morte por doença. “Mas essas condições são evitáveis se o governo adotar o que o PT propõe há semanas”, ressalta. “Proteger empregos e empresas é proteger a vida”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247