Relatório da PF indicia 21 por superfaturamento do Mané Garrincha

Relatório da PF cita os ex-governadores Agnelo Queiroz (PT), José Roberto Arruda (PR) e o ex-vice Tadeu Filippelli (PMDB); de acordo com o documento, o sobrepreço nas obras foi de R$ 559 milhões, quase o valor inicial previsto para a obra toda (R$ 600 milhões)

Relatório da PF cita os ex-governadores Agnelo Queiroz (PT), José Roberto Arruda (PR) e o ex-vice Tadeu Filippelli (PMDB); de acordo com o documento, o sobrepreço nas obras foi de R$ 559 milhões, quase o valor inicial previsto para a obra toda (R$ 600 milhões)
Relatório da PF cita os ex-governadores Agnelo Queiroz (PT), José Roberto Arruda (PR) e o ex-vice Tadeu Filippelli (PMDB); de acordo com o documento, o sobrepreço nas obras foi de R$ 559 milhões, quase o valor inicial previsto para a obra toda (R$ 600 milhões) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - A Polícia Federal indiciou nesta sexta-feira (18) 21 pessoas por envolvimento em um suposto esquema de superfaturamento nas obras do Estádio Mané Garrincha, em Brasília. O relatório de quase 350 páginas foi encaminhado à 10ª Vara da Justiça Federal no DF, e cita os ex-governadores Agnelo Queiroz (PT), José Roberto Arruda (PR) e o ex-vice Tadeu Filippelli (PMDB). De acordo com o documento, o sobrepreço nas obras foi de R$ 559 milhões, quase o orçamento inicial previsto para a obra toda, de R$ 600 milhões.

No relatório, a PF citou a cifra de R$ 1,575 bilhão. O Tribunal de Contas apontou gastos de até R$ 2 bilhões, e o governo do Distrito Federal, entre R$ 1,4 bilhão e R$ 1,6 bilhão.

Também estão entre os indiciados executivos de empreiteiras, funcionários públicos e advogados.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247