Renan cobra Aras para análise de relatório da CPI: "não pode hibernar as investigações"

“Ao enveredar por esse torto caminho, a PGR diminui o trabalho da CPI, despreza milhares de mortes e apequena o papel do próprio MP”, diz o relator da comissão

www.brasil247.com -
(Foto: ABr)


247 - Após 100 dias, os indiciamentos feitos pela CPI da Covid ainda não saíram da gaveta do procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras. O relator da CPI, que escreveu o documento que indiciou Jair Bolsonaro (PL), quatro ministros —- Marcelo Queiroga (Saúde), Onyx Lorenzoni (Trabalho), Braga Netto (Defesa) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União) — duas empresas e outras 73 pessoas por crimes relacionados à pandemia, cobrou a PGR.

“Cabe à PGR três caminhos: requisitar a instauração de inquérito policial (como se espera); promover denúncia contra os indiciados; ou arquivar as conclusões da CPI, se assim entender”, escreveu Renan nas redes sociais nesta segunda-feira, 7. 

“O que não pode é inventar um quarto caminho com o nítido objetivo de hibernar as investigações deixando-as numa caverna escura e inacessível à opinião pública”, reforçou. “Ao enveredar por esse torto caminho, a PGR diminui o trabalho da CPI, despreza milhares de mortes e apequena o papel do próprio MP. O negacionismo assumiu, enfim, a sua faceta mais tenebrosa: a negativa do Direito”, concluiu o senador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email