Vídeo de reunião ministerial é "devastador" para Bolsonaro

Segundo a jornalista Andreia Sadi, a gravação da reunião do dia 22 de abril comprova a acusação de Sérgio Moro de que Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal

Reunião ministerial e Jair Bolsonaro
Reunião ministerial e Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 com Sputnik - Como parte do inquérito que apura as denúncias de Sergio Moro contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi exibido nesta terça-feira (12) na Polícia Federal (PF) de Brasília o vídeo da reunião ministerial em que, segundo Moro, o presidente pressiona o então ministro.

"A avaliação de fontes que acompanham a investigação é que o vídeo é devastador para Bolsonaro, pois comprova a acusação de Moro de que o presidente da República tentou interferir na Polícia Federal", avalia a jornalista Andreia Sadi, em seu blog no G1.

Moro acusa Bolsonaro de querer interferir politicamente na PF e diz que pediu demissão de seu cargo por esse motivo. Após a denúncia do ex-ministro da lava jato, o Supremo Tribunal Federal (STF) abriu inquérito para apurar a situação.

PUBLICIDADE

Segundo pessoas que assistiram ao vídeo da reunião e relataram a Sadi, durante o encontro, Bolsonaro diz que sua família sofre perseguição no Rio de Janeiro e que, por isso, trocaria o chefe da superintendência da PF no Rio. Ele cita o termo "segurança no Rio". Bolsonaro acrescentou que, se não pudesse fazer a substituição, trocaria o diretor-geral da corporação e o próprio ministro da Justiça – à época, Moro.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email