Vigilante: Cunha e Temer querem golpe para frear investigações

"Caso consigam dar o golpe, a velha turma que comandou o Brasil por anos vai finalmente impedir que as apurações continuem avançando contra gente como Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves, Agripino Maia, Fernando Collor, Antônio Imbassahy, Jovair Arantes e outras dezenas", publicou o deputado distrital Chico Vigilante (PT), em sua página no Facebook; "Está chegando perto e eles sabem disso. Só um golpe de estado pode frear as investigações", acrescentou

"Caso consigam dar o golpe, a velha turma que comandou o Brasil por anos vai finalmente impedir que as apurações continuem avançando contra gente como Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves, Agripino Maia, Fernando Collor, Antônio Imbassahy, Jovair Arantes e outras dezenas", publicou o deputado distrital Chico Vigilante (PT), em sua página no Facebook; "Está chegando perto e eles sabem disso. Só um golpe de estado pode frear as investigações", acrescentou
"Caso consigam dar o golpe, a velha turma que comandou o Brasil por anos vai finalmente impedir que as apurações continuem avançando contra gente como Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves, Agripino Maia, Fernando Collor, Antônio Imbassahy, Jovair Arantes e outras dezenas", publicou o deputado distrital Chico Vigilante (PT), em sua página no Facebook; "Está chegando perto e eles sabem disso. Só um golpe de estado pode frear as investigações", acrescentou (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247- O deputado distrital Chico Vigilante (PT) afirmou que defensores do impeachment da presidente Dilma Rousseff, como o vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, ambos do PMDB, querem a renúncia da petista para frear as investigações da Operação Lava Jato.

"Caso consigam dar o golpe, a velha turma que comandou o Brasil por anos vai finalmente impedir que as apurações continuem avançando contra gente como Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves, Agripino Maia, Fernando Collor, Antônio Imbassahy, Jovair Arantes e outras dezenas, como os 65 deputados investigados por corrupção que votaram a favor do processo de impeachment de Dilma", disse o parlamentar em texto publicado no seu Facebook. "Está chegando perto e eles sabem disso. Só um golpe de estado pode frear as investigações".

De acordo com o distrital, esquemas de corrupção só foram revelados porque os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff "deram condições e autonomia aos órgãos de investigação", que, segundo ele, "deixou a velha direita alerta". "Eles sabem que não vai sobrar sobre pedra se as investigações continuarem nas diferentes frentes criadas - e não só na Lava Jato", disse.

Vala ressaltar que o próprio delegado da Polícia Federa Igor Romário de Paula, que coordena as investigações da Lava-Jato com uma equipe de 2 930 policiais, reconheceu que, no governo do PT, a PF ganhou mais autonomia. "Do ponto de vista funcional, tivemos no governo do PT um avanço que hoje nos permite atuar com mais independência em determinados procedimentos, como o destino que se dá a um certo inquérito", disse ele, no mês passado, durante entrevista à Veja (confira aqui). 

Leia na íntegra o texto de Vigilante:

Preso após ser acusado de atuar como uma espécie de bilheteiro das empreiteiras, ao cobrar propina para evitar depoimentos a determinadas CPIs, o ex-senador Gim Argello, presidente do PTB-DF, é mais uma peça no grande quebra-cabeças da Operação Lava Jato a confirmar que as fontes dos recursos dos partidos são sempre as mesmas, como eu e muitos de meus companheiros afirmamos há mais de dois anos.

De acordo com Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, o então senador cobrava dinheiro das empresas para evitar depoimentos de seus diretores nas investigações. Os recursos, conforme o depoimento do empresário à PF, eram repassados em forma de doações eleitorais.

Pelas declarações à Justiça, a UTC repassou R$ 5 milhões a quatro partidos a pedido de Gim. O maior beneficiário foi o DEM, do "vestal da moralidade", deputado Alberto Fraga, citado por Gim, e do senador José Agripino Maia (RN), que gritam contra o PT diariamente enquanto tentam justificar os recursos utilizados em campanhas. A legenda recebeu R$ 1,7 milhão.

Além delas, foram beneficiadas o PR, que recebeu R$ 1 milhão, o PMN (R$ 1,15 mi) e o PRTB (R$ 1,15 mi).

Não para por aí. Conforme outra testemunha, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, o então presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PT), já falecido, também mantinha atuação semelhante a do colega do DF.

Ele cobrou, em 2009, R$ 10 milhões pra vender proteção e impedir depoimentos. Os recursos, como sempre, foram parar no caixa do PSDB.

Portanto, observem que não houve duas fontes de recursos. Uma ruim, que alimentou o PT, e uma boa que serviu a todos os demais partidos. A corrupta do PT e a honesta, das outras legendas. A fonte recursos das campanhas foi uma só, as empreiteiras.

O fato é que o PT é o único que teve suas doações criminalizadas, apesar de ter prestado contas integralmente à Justiça Eleitoral.

É ingênuo ou mal intencionado acreditar que o PT, durante a campanha, tenha passado recibo e registrado recursos de origem ilegal como se fossem legais. Todos já sabem que não houve isso e as investigações estão aí para demonstrar. Quem não deve, não teme!

Agora, o procurador da força-tarefa da Operação Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima vem afirmar, sem cerimônias e como se anunciasse uma novidade, que "o sistema político partidário do país está apodrecido".

Ou seja, somente depois de flagrarem praticamente todos os demais partidos com doações oriundas de empreiteiras é que eles vieram dizerque a corrupção está espalhada por diferentes partidos, "tanto da base governista como da oposição".

Vejam só. Esses esquemas só foram revelados porque os governos de Lula e Dilma deram condições e autonomia aos órgãos de investigação, jamais tentar influenciar em seus rumos, atacar adversários ou proteger aliados.

Isso deixou a velha direita alerta. Eles sabem que não vai sobrar sobre pedra se as investigações continuarem nas diferentes frentes criadas - e não só na Lava Jato.

Por isso, querem acabar com o PT, tomar a Presidência de Dilma Rousseff por meio de um golpe contra a democracia (e 54 milhões de votos) e tentar impedir o retorno de Lula ao Planalto em 2018, que já detém a frente das pesquisas eleitorais.

Caso consigam dar o golpe, a velha turma que comandou o Brasil por anos vai finalmente impedir que as apurações continuem avançando contra gente como Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves, Agripino Maia, Fernando Collor, Antônio Imbassahy, Jovair Arantes e outras dezenas, como os 65 deputados investigados por corrupção que votaram a favor do processo de impeachment de Dilma.

Está chegando perto e eles sabem disso. Só um golpe de estado pode frear as investigações.

CHICO VIGILANTE
Deputado Distrital do PT

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247