76 entidades do movimento negro lançam manifesto contra massacre de negras e negros na Bahia

“Denunciamos o modus operandi de um projeto de segurança pública que abriu mão de todas as prerrogativas da investigação, da inteligência e outros mecanismos legais, dado que trata a população negra como inimiga e suspeito padrão” - este é um trecho do manifesto das entidades contra as mortes, especialmente de jovens negros.

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


247 - As princiais entidades do movimento negro no Brasil e outras entidades do movimento popular  lançaram um manifesto denunciando o massacre de negros e negras em todo o Estado, especialmente na capital, em Salvador, e exigindo providências imediatas do governo e do Ministério Público da Bahia: “exigimos que o GAECO, instância do Ministério Público Estadual, cumpra seu papel estabelecido pela Constituição Cidadã e faça o controle externa das atividades policiais na Bahia, pois a situação que temos é vergonhosa, de leniência, de muito silêncio e impunidade. Com a mesma intenção, encaminharemos para às instâncias federais denúncia desta situação e, esgotadas todas as nossas tentativas no País, exigiremos das Cortes Internacionais que olhem para essa realidade devastadora”. 

A realidade a que o manifesto se refere é a mortandade de jovens negros:”127 jovenshomens-negros assassinados somente no mês de novembro. O dia mais sangrento foi justamente o dia 20, Dia da Consciência Negra, quando 14 pessoas foram assassinadas somente na capital”. Os números do ano são espantosos: “A conta dos números de Salvador de março a novembro de 2020, chegou a 831 vítimas de homicídios, sendo 93% das vítimas jovens negros, quando se somou uma macabra tabela mês a mês. A escalada dos números de genocídio da juventude negra baiana só aumenta ano após ano. Segundo o Atlas da violência, no ano de 2018, 90% das pessoas assassinadas no estado da Bahia eram jovens e negras. Já em 2019, esse número de jovens negros mortos pela polícia baiana saltou para 96,9% segundo relatório produzido pela Rede de Observatórios da Segurança”.

O manifesto, lançado em 30 de dezembro de 2021 é assinado, entre outras, pelas seguintes entidades: Movimento Negro Unificado,  Agentes Pastorais Negros, Coordenação Nacional de Quilombos, Articulação Nacional de Mulheres Negras, Coletiva MAHIN - Organização de Mulheres Negras e Geledes-Instituto da Mulher Negra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No texto, as entidades afirmam: “Denunciamos o modus operandi de um projeto de segurança pública que abriu mão de todas as prerrogativas da investigação, da inteligência e outros mecanismos legais, dado que trata a população negra como inimiga e suspeito padrão. Além disso, mesmo para os segmentos que estão em conflito com a lei, com destaque para todos os abusos do Estado em nome da ‘guerra às drogas’, as execuções demonstram que, na Bahia, em suspenso o devido processo legal e a ampla defesa, pois são os polícias sob os olhos dos seus oficiais e superiores que julgam e sentenciam sem direito a qualquer campo de contraditório”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia a seguir a íntegra do manifesto e todas as entidades que o assinam:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email