Túlio Gadêlha quer derrubar MP de Bolsonaro que restringe acesso ao BPC

Deputado federal Túlio Gadêlha irá apresentar um projeto visando reverter a MP 1023/20, editada por Jair Bolsonaro no final de 2020, que pode excluir até 500 mil pessoas do Benefício de Prestação Continuada. Projeto deverá ser apresentado após o fim do recesso parlamentar

Deputado Túlio Gadêlha retira candidatura para Prefeitura de Recife (Pernambuco)
Deputado Túlio Gadêlha retira candidatura para Prefeitura de Recife (Pernambuco) (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Túlio Gadêlha (PDT) irá apresentar um projeto visando reverter a Medida Provisória (MP 1023/20), editada por Jair Bolsonaro no final de 2020 , que pode excluir até 500 mil pessoas do Benefício de Prestação Continuada (BPC). "Milhares de famílias em situação de vulnerabilidade continuam a pagar pela ingerência e descaso desse governo”, criticou. O projeto deverá ser apresentado em fevereiro, após o término do recesso parlamentar. 

A lei de regulamentação que foi alterada pela MP permitia, a partir de 2021, o aumento da faixa de rendimento dos beneficiários de 1/4 para meio salário mínimo per capita, o que permitia mais famílias fossem incluídas no BPC este ano. Com a MP, essa faixa de rendimento fica fixa em 1/4 do salário mínimo e impede que novos beneficiários sejam incluídos.

Segundo o deputado, é necessário que existam medidas para assistir e proporcionar o mínimo de qualidade de vida em um momento que a renda da população foi duramente afetada pela pandemia da Covid-19.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247