460 mil contas vão do Itaú para o Bradesco no Rio

Pagamento da folha dos servidores fluminenses se completou hoje; quase R$ 2 bi entraram nas contas que migraram; Bradesco abre 80 agncias no Estado e contrata 2 mil; portabilidade permite retorno ao Ita, que perdeu licitao e demitiu 4 mil

Marco Damiani _247 – A maior migração de contas correntes já vista no Brasil acaba de ser completada. Com o pagamento, pelo governo do Estado, da folha de salários e proventos do mês janeiro, cuja última etapa de depósitos se encerrou hoje, o contingente de 460 mil servidores públicos, aposentados e pensionistas fluminenses passa a receber por meio de contas correntes abertas no Bradesco. Antes, todas elas eram administradas pelo Itaú.

A abertura das contas foi um procedimento obrigatório, mas os funcionários públicos podem utilizar as regras de portabilidade e direcionar seus recebimentos para a antiga instituição ou outra à sua escolha. Os índices de rejeição ao novo endereço, no entanto, rondam os 5% nas avaliações informais de gerentes do próprio Bradesco.

Com um lance de R$ 1,8 bilhão, no ano passado, o banco venceu a licitação aberta para comprar o Berj, o que acarretaria o direito distribuir, entre 2011 e 2013, a folha de pagamento do funcionalismo. O Itaú, que já operava as contas, àquela altura, nos dez anos anteriores, deu o lance mais baixo entre quatro concorrentes, de R$ 590 milhões, confirmando sua inapetência para disputas.

A mudança em massa dos servidores com suas contas do Itaú para o Bradesco mexeu a fundo com o mercado de varejo financeiro do Rio. Enquanto na instituição liderada por Roberto Setúbal e Pedro Moreira Salles – o Itaú se fundiu, em 2008, com o Unibanco -- se sucedem os protestos de bancários pelas mais de quatro mil demissões ocorridas dentro das divisas do Estado -- entre eles uma “bicicleata”, na quarta-feira 1 --, o Bradesco do expert Lázaro de Mello Bradão e do tarimbado Luiz Carlos Trabuco Cappi exibe um placar com mais de duas mil contratações e abertura de 80 novas agências. Trabuco conhece o varejo financeiro fluminense como poucos. Ele presidiu a Bradesco Seguros, com sede no Rio, por três anos, e patrocinou as vitoriosas candidaturas do Cristo Redentor à condição de maravilha contemporânea e a da própria cidade a sediar as Olimpíadas de 2016. “É pé quente”, define o governador Sérgio Cabral.

O Bradesco, agora, desenvolve uma agressiva estratégia para conquistar e fidelizar os novos clientes, com incentivos que vão da liberação de juros no cheque especial por 10 dias, ofertas de brindes, compras com desconto e produtos financeiros que soam atraentes ao perfil do servidor. O Itaú, por seu lado, procura incentivar a portabilidade, estimulando seus antigos clientes a retornarem. Para um grupo financeiro que, desde o final do ano passado, declara uma estratégia de “estar presente nas grandes cidades”, como disse o presidente Setúbal, assistir ao Bradesco dar um salto de 460 mil contas abertas de uma só vez, em pleno Rio de Janeiro, não pode ser um espetáculo divertido.

 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247