Beltrame não descarta morte de dançarino por tiro de PM

Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse, no entanto, que não foi encontrada cápsula de bala próxima ao corpo do rapaz; por isso, não há como fazer um confronto balístico com as armas dos dez policiais que participaram da operação na comunidade; ele enfatizou que quer pressa nas investigações

Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse, no entanto, que não foi encontrada cápsula de bala próxima ao corpo do rapaz; por isso, não há como fazer um confronto balístico com as armas dos dez policiais que participaram da operação na comunidade; ele enfatizou que quer pressa nas investigações
Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse, no entanto, que não foi encontrada cápsula de bala próxima ao corpo do rapaz; por isso, não há como fazer um confronto balístico com as armas dos dez policiais que participaram da operação na comunidade; ele enfatizou que quer pressa nas investigações (Foto: Roberta Namour)

Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil - O secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse ontem (23), em coletiva à imprensa, que está acompanhando as investigações sobre a morte do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, ocorrida na comunidade do Pavão-Pavãozinho, na zona sul do Rio. Beltrame enfatizou quer pressa nas investigações.

"Vamos acompanhar com todo o rigor, apresentar [os resultados] à sociedade com toda transparência. E quero pressa nessas investigações, porque isso é fundamental para que nós continuemos esse trabalho, que hoje atende a 9 milhões de pessoas, com 9 mil policiais que estão em áreas historicamente dominadas pelo tráfico", disse o secretário.

Beltrame informou que não foi encontrada cápsula de bala próxima ao corpo do rapaz. Por isso, não há como fazer um confronto balístico com as armas dos dez policiais que participaram da operação na comunidade. Quatro deles já foram ouvidos na Delegacia de Homicídios e nenhum deles terá a arma apreendida.

A Polícia Civil confirmou hoje que o dançarino foi atingido por um tiro. A informação foi divulgada pelo titular da Delegacia de Ipanema (13ª DP), Gilberto Ribeiro

Segundo laudo do Instituto Médico-Legal (IML), Douglas Rafael da Silva Pereira morreu por causa de uma perfuração no pulmão.

No laudo, a causa da morte é descrita de forma sintética: “Hemorragia interna decorrente de laceração pulmonar decorrente de ferimento transfixante do tórax, ação perfurocontundente”.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247