Bolsonaro vê refugiados como 'escória do mundo'

Em mais uma fala polêmica, deputado federal ofendeu haitianos, senagaleses, bolivianos e sírios que buscam refúgio no país: “Como se nós não tivéssemos problema demais para resolver”

Em mais uma fala polêmica, deputado federal ofendeu haitianos, senagaleses, bolivianos e sírios que buscam refúgio no país: “Como se nós não tivéssemos problema demais para resolver”
Em mais uma fala polêmica, deputado federal ofendeu haitianos, senagaleses, bolivianos e sírios que buscam refúgio no país: “Como se nós não tivéssemos problema demais para resolver” (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da revista Fórum – O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse, na última quinta-feira (17), que os refugiados que chegam ao Brasil são “a escória do mundo”. A afirmação foi feita em entrevista ao jornalista Frederico Vitor, do Jornal Opção, de Goiás. As informações são do portal Exame.

O repórter perguntou ao parlamentar o que achava da situação do Exército brasileiro. “Não sei qual é a adesão dos comandantes, mas, caso venham reduzir o efetivo [das Forças Armadas] é menos gente nas ruas para fazer frente aos marginais do MST, dos haitianos, senegaleses, bolivianos e tudo que é escória do mundo que, agora, está chegando os sírios também. A escória do mundo está chegando ao Brasil como se nós não tivéssemos problema demais para resolver”, declarou.

Na mesma entrevista, Bolsonaro desejou a morte da presidenta Dilma Rousseff (PT). “Espero que o mandato dela acabe hoje, infartada, com câncer ou de qualquer maneira”, disparou (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247