Caso Queiroz: Servidor alvo de operação é exonerado da Alerj

O MP-RJ viu fraude cometida pelo servidor Matheus Azeredo Coutinho para obstruir as investigações sobre o esquema de lavagem de dinheiro na Alerj, onde Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) cumpria mandato de deputado antes de ser eleito senador e era auxiliado por Fabrício Queiroz, que está preso

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado | Divulgação/Polícia Civil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) publicou no Diário Oficial desta segunda-feira (22) a exoneração do servidor Matheus Azeredo Coutinho. Ele é um dos alvos da Operação Anjo, que resultou na prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) quando o atual senador era deputado estadual. O Ministério Público do Rio (MP-RJ) viu fraude cometida por Azeredo para obstruir as investigações. 

O órgão acusa o servidor de ter ajudado uma ex-assessora de Flávio na Alerj para adulterar suas folhas de ponto. O governo Jair Bolsonaro restringiu por decreto a abrangência da Lei de Acesso à Informação (LAI), para fraudar os registros de controle de ponto de uma ex-assessora do seu filho.

Queiroz foi preso na última quinta-feira (18) em Atibaia (SP), onde estava escondido em imóvel do advogado Frederick Wassef, que defendia o parlamentar. 

O agora ex-servidor da Alerj trabalhava no Departamento de Legislação de Pessoal da Alerj, setor ligado à área de Recursos Humanos e foi justamente esse departamento que recebeu o pedido da reportagem do UOL para ter acesso às folhas de ponto de Luiza Souza Paes, uma das ex-assessoras de Flávio Bolsonaro que foram flagradas pelo antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) repassando parte de seu salário para Fabrício Queiroz.

Ao ter acesso ao requerimento, Azeredo procurou Luiza para que ela adulterasse as planilhas, que estavam em branco, um sinal de que ela não trabalhava de fato no cargo para o qual foi nomeada.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247