Correia critica blindagem do CNMP: Dallagnoll é um fanfarrão que foge da Câmara

O deputado Rogério Correia (PT-MG) criticou a blindagem do CNMP ao procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol; "Este Dallagnoll é um fanfarrão que vive fugindo de ir à Camara Federal dar conta da Fundação Bilionária que quis fundar para surrupiar dinheiro do povo. Fora do conluio de corrupção que armou com Moro na Lava Jato. Deixa ele!", disse

(Foto: Foto: Jailson Sam/Agência Cãmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) criticou a blindagem do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) ao procurador da Operação Lava Jato Deltan Dallagnol. O órgão decidiu pelo arquivamento da representação disciplinar, mesmo com reportagens do Intercept Brasil apontando um conluio dele com o ex-juiz Sérgio Moro para orientações sobre as investigações, o que fere a equidistância entre magistrado e parte acusatória.

"Este Dallagnoll é um fanfarrão que vive fugindo de ir à Camara Federal dar conta da Fundação Bilionária que quis fundar para surrupiar dinheiro do povo. Fora do conluio de corrupção que armou com Moro na Lava Jato. Deixa ele!", postou o parlamentar no Twitter.

Em sua decisão, o corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel Moreira, escreveu: "por todo o exposto e em face da inexistência de elementos de prova (mensagens que, se existentes, foram obtidas de forma ilícita) ou mesmo pela inexistência de ilícito funcional nas mensagens, se fossem consideradas, impõe-se o arquivamento da presente reclamação disciplinar".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247