Covid-19: Prefeitura de São Paulo está com trabalho de base paralisado

Quem avalia é Ubiratan de Paula, médico pneumologista da Faculdade de Medicina da USP. “Pelo que converso com as pessoas, falta ação do poder público. Em cada região, precisamos ter uma integração entre educação, assistencial social e a saúde. Essas três esferas podem orientar o distanciamento social. O trabalho de base está paralisado”, criticou

(Foto: Cecília Bastos/Usp Imagens | GOVSP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual - A prefeitura da capital paulista se mostra incapaz de formular, coordenar e executar ações necessárias para o controle da transmissão do coronavírus. Na avaliação de Ubiratan de Paula, médico pneumologista da Faculdade de Medicina da USP, a cidade não apresenta um trabalho de base, principalmente nas regiões periféricas.

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, nesta segunda-feira (27), Ubiratan afirma que a gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) não orienta a população nem promove solidariedade organizada. A capital teve 14 mil casos e 1.133 óbitos confirmados no domingo (26).

“Pelo que converso com as pessoas, falta ação do poder público. Em cada região, precisamos ter uma integração entre educação, assistencial social e a saúde. Essas três esferas podem orientar o distanciamento social. O trabalho de base está paralisado. A periferia é o novo alvo da pandemia e é preciso de um trabalho solidário da prefeitura e do estado”, criticou o médico.

Apesar do aumento de casos, a prefeitura e o governo de São Paulo cogitam o relaxamento do isolamento social e a abertura de parte do comércio, a partir do 11 de maio. O médico critica a decisão. “Estamos numa curva em ascensão, em que o número de casos dobra a cada oito dias. Ainda temos o problema das notificações por conta da falta de testes. Não cabe pensar em medidas de relaxamento, é preciso aperfeiçoar o isolamento e criar novas ações”, alertou.

Participação do Estado

Em um artigo no site Viomundo, Ubiratan defende algumas medidas do executivo para o combate do novo coronavírus, como instituir um comitê em cada uma das 32 subprefeituras da cidade.

Ele também defende que a prefeitura amplie o atendimento da rede básica de saúde para atender as pessoas que necessitam de cuidados médicos durante a pandemia. “Precisamos dar atendimento aos pacientes com doenças crônicas, como pressão alta e diabetes, que foram adiados na pandemia. Essas pessoas não podem ficar um longo período sem atendimento médico”, explica o médico.

O especialista afirma que o governo de São Paulo precisa requisitar os leitos privados para atender toda a população do estado. De acordo com ele, essa necessidade é um reflexo da política de desprestígio do setor público, desde a Emenda Constitucional (EC) 95, que congelou o orçamento por 20 anos e tirou R$ 20 bilhões do SUS.

“Espero que a pandemia sirva de exemplo para retomarmos o fortalecimento permanente da saúde pública. O governo estadual terá que administrar os leitos privados, mas precisa ser rapidamente. A capital de São Paulo concentra 21% dos casos do país e é preciso fazer a requisição, se não as pessoas vão ficar sem atendimento e não vão sobreviver”, acrescentou Ubiratan.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247