Documentos apontam seletividade na PM-RJ: associa-se a Bolsonaro e liga partidos de oposição a vandalismo

De acordo com documentos internos da Polícia Militar do Rio de Janeiro, manifestações contra Jair Bolsonaro são tratadas sempre como eventos com potencial de distúrbios e as mobilizações de seus apoiadores são vistas como inofensivas

Jair Bolsonaro e PMRJ
Jair Bolsonaro e PMRJ (Foto: Marcos Corrêa/PR | PMRJ)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Registros internos da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PM-RJ) apontaram que a corporação associa a oposição a Jair Bolsonaro a atos de vandalismo. Manifestações contra ele são tratadas sempre como eventos com potencial de confusão e as mobilizações de seus apoiadores são vistas como inofensivas. O teor dos documentos foi publicado em reportagem do portal Uol.

De acordo com a PM, o uso de grande aparato policial, que envolveu batalhões de elite, é motivado pela "possibilidade de grande mobilização de manifestantes em virtude da convocação de adeptos dos partidos políticos opositores e anarquistas, com histórico em atos anteriores desse mesmo gênero, registros de confusões e depredação do patrimônio público". 

A forma de atuação da PM do Rio é inconstitucional, na avalição do sociólogo Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). "A medida da polícia do Rio é frontalmente ilegal, porque trata a mesma ação [a organização de atos públicos] de dois grupos políticos de forma completamente diferente. Está discriminando oficialmente um grupo por sua orientação política e ideológica", critica. 

Deputado estadual e ex-ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc (PSB-RJ) disse que seu partido deve apresentar nas próximas semanas uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a legalidade das ações da PM.

"Nós do PSB recentemente conseguimos liminar no STF sobre operações policiais durante a pandemia. A próxima ação que vamos propor vai ser contra essa forma desigual de atuação em manifestações. Esses documentos mostram que a polícia, ao invés de servir à sociedade, pertence a uma fração que está no governo. O bolsonarismo tem uma de suas bases na polícia", disse.

A PM do Rio afirmou que "dimensiona o planejamento das operações para acompanhar manifestações políticas com base em informações estratégicas e sigilosas, colhidas pelo setor de inteligência". 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247