Doria, que recolheu apostila por suposta 'ideologia de gênero', diz que Crivela "exagerou"

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), por censurar história em quadrinhos exposta na Bienal do Livro do Rio com beijo gay. "Acho que nesse caso ele exagerou", disse o tucano que dias atrás mandou recolher material didático por causa de uma suposta “apologia à ideologia de gênero”

João Doria
João Doria (Foto: Gilberto Marques/Governo de São Paulo)

247 - Poucos dias depois de mandar recolher um material didático por causa de uma suposta “apologia à ideologia de gênero”, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), por censurar história em quadrinho exposta na Bienal do Livro do Rio com beijo gay. 

Durante conversa com jornalistas em cerimônia no Museu do Ipiranga, neste sábado (7), o tucano disse que Crivela passou da conta ao mandar fiscais recolher livros na Bienal.

"Eu gosto muito do prefeito Marcelo Crivella, eu o respeito, mas acho que nesse caso ele exagerou, foi além do que poderia ter ido. Mas não deixo de respeitá-lo. Ele foi além, não deveria ter feito", disse Doria, segun do a Folha de S. Paulo.

Ao ser questionado se considerava que a medida de Crivela era um ato de censura, Doria desconversou. "Não quero entrar no mérito da questão, só acho que ele exagerou. Talvez com boa intenção, pessoalmente, mas aí ele perdeu a razão, porque se trata de uma feira do livro, você não pode estabelecer nenhum tipo de limitação. É um patamar que não está ao alcance do prefeito de uma capital", afirmou.

Mas em São Paulo, Doria mandou recolher material didático de alunos da rede estadual porque três páginas desagradaram ao tucano. No entanto, outras 141 página eram de conteúdo de oito disciplinas: história, geografia, matemática, português, arte, ciências naturais e educação física. Resultado, os alunos ficaram sem o material para as demais disciplinas.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247