Eike Batista volta a negociar delação premiada com PGR

De acordo com o Ministério Público Federal, no total, Eike movimentou mais de R$ 800 milhões entre 2010 e 2013 em transações com indícios de manipulação do mercado de ações

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O empresário Eike Batista voltou a negociar delação, menos de um ano depois de ter sua proposta de colaboração premiada ser rejeitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). O depoimento foca parlamentares com foro e não inclui, até o momento, autoridades do judiciário. A informação é da coluna de Bela Megale. Batista pretende fechar um acordo que não o obrigue a voltar para a cadeia. Ele foi preso duas vezes e está livre desde agosto, quando teve a prisão revogada pelo TRF-2. De acordo com o Ministério Público Federal, no total, Eike movimentou mais de R$ 800 milhões entre 2010 e 2013 em transações com indícios de manipulação do mercado de ações.

O órgão havia apontado, no ano passado, que Eike usou a empresa The Adviser Investments (TAI), offshore de Plass no Panamá, para inflar artificialmente os valores de empresas e aumentar sua margem de lucro.

O empresário teria uma conta fantasma para transferir e receber dinheiro de uma conta dele no TAG Bank/Panamá, denominada "Golden Rock Foundation". A conta aberta supostamente em nome de alguém que não existe teria sido aberta junto à empresa The Adviser Investments, controlada por Plasspara.

Em suas tratativas com o Judiciário, Eike estava prestes fechar um acordo com o Ministério Público Federal do Rio sem envolver nomes com foro privilegiado, porém suspendeu as tratativas para procurar a PGR.

A primeira vez que ele tentou delação com a PGR foi sob a gestão de Raquel Dodge. Atualmente, ele negocia com a equipe de Augusto Aras, que assumiu a PGR em setembro. Participantes da tratativa acreditam que ela pode ser fechada nos próximos meses.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247