Em SP, PM quebra perna e pisa no pescoço de mulher negra rendida no chão

A dona de um bar de Parelheiros, na zona sul de São Paulo, disse ter levado socos e uma rasteira de um PM, após tentar defender um amigo. Na queda, ela afirmou ter fraturado a tíbia

Policial militar pisando no pescoço de uma mulher negra de 51 anos na Zona Sul de SP.
Policial militar pisando no pescoço de uma mulher negra de 51 anos na Zona Sul de SP. (Foto: Reprodução/TV Globo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A dona de um bar de Parelheiros, na zona sul de São Paulo, relatou agressões físicas por parte de um Policial Militar quando ela foi defender um amigo derrubado e desfalecido no chão. A viúva, de 51 anos, disse que, ao pedir para o policial cessar a violência, foi empurrada para uma grade e agredida por outro agente. O programa Fantástico exibiu neste domingo (12) um vídeo gravado por moradores.

O caso aconteceu no dia 30 de maio, em Parelheiros, porque um cliente estacionou o veículo com som em alto volume, enquanto consumia no local.

A mulher disse que levou três socos e foi derrubada com uma rasteira. Na queda, ela afirmou ter fraturado a tíbia.

A comerciante afirmou que desmaiou quatro vezes, mas a violência não parava. "Quanto mais eu me debatia, mais ele apertava a botina no meu pescoço", acrescentou.

A comerciante foi atendida num hospital com ferimentos no rosto, nas costas e com a perna quebrada. Foi levada para uma delegacia, onde ficou detida até o dia seguinte.

O governador de São Paulo, João Doria, classificou como "inaceitável" a conduta dos policiais. 

"Os policiais militares que agrediram uma mulher em Parelheiros, na Capital de SP, já foram afastados e responderão a inquérito. As cenas exibidas no Fantástico causam repulsa. Inaceitável a conduta de violência desnecessária de alguns policiais. Não honram a qualidade da PM de SP".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email