Ex-subsecretário do Rio comprou carro de luxo com desvios do metrô, diz MP

Denúncia do MPF contra Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de transportes do Estado do Rio no governo Sérgio Cabral, aponta que parte dos desvios das obras da Linha 4 do Metrô do Rio que ele pagou uma Mercedes Benz C180 avaliada em R$ 125 mil, bancou o colégio particular dos filhos e fez transferências bancárias para a mulher dele; de acordo com o MPF, a compra foi feita "com a finalidade de converter o dinheiro recebido a título de propina em ativo lícito e ocultar o real proprietário"

Denúncia do MPF contra Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de transportes do Estado do Rio no governo Sérgio Cabral, aponta que parte dos desvios das obras da Linha 4 do Metrô do Rio que ele pagou uma Mercedes Benz C180 avaliada em R$ 125 mil, bancou o colégio particular dos filhos e fez transferências bancárias para a mulher dele; de acordo com o MPF, a compra foi feita "com a finalidade de converter o dinheiro recebido a título de propina em ativo lícito e ocultar o real proprietário"
Denúncia do MPF contra Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de transportes do Estado do Rio no governo Sérgio Cabral, aponta que parte dos desvios das obras da Linha 4 do Metrô do Rio que ele pagou uma Mercedes Benz C180 avaliada em R$ 125 mil, bancou o colégio particular dos filhos e fez transferências bancárias para a mulher dele; de acordo com o MPF, a compra foi feita "com a finalidade de converter o dinheiro recebido a título de propina em ativo lícito e ocultar o real proprietário" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de transportes do Estado do Rio no governo Sérgio Cabral, aponta que parte dos desvios das obras da Linha 4 do Metrô do Rio que ele pagou um carro de luxo, bancou o colégio particular dos filhos e fez transferências bancárias para a mulher dele. O carro é uma Mercedes Benz C180 avaliada em R$ 125 mil, comprada em nome da empresa de Juscelino Gil Velloso, irmão de Luiz Carlos. De acordo com o MPF, a compra foi feita "com a finalidade de converter o dinheiro recebido a título de propina em ativo lícito e ocultar o real proprietário" e, como consequência, Gil também foi denunciado.

O ministério informou que os desvios de Velloso chegam a R$ 600 mil. O dinheiro tinha origem da Carioca Engenharia, uma das empreiteiras responsáveis pela obra que ligou Ipanema à Barra da Tijuca sob trilhos. As vantagens indevidas seriam fruto do sobrepreço orçado pelas empreiteiras. Os pagamentos variavam entre R$ 150 mil e R$ 200 mil, diz a denúncia. Também participaram da obra da Linha 4 a Odebrecht e a Queiroz Galvão. 

Desde 2012, as transferências bancárias foram feitas centenas de vezes à conta da mulher de Luiz Carlos, Renata Loureiro Borges Monteiro. Renata está desempregada desde 2011.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247