Governo mineiro e MP pedem bloqueio de R$26,7 bi da Vale por perdas com Brumadinho

O Ministério Público em Minas Gerais disse que o pedido de bloqueio bilionário tem como base estudo da Fundação João Pinheiro sobre impactos da tragédia, que deixou 270 mortos

Tragédia de Brumadinho
Tragédia de Brumadinho (Foto: REUTERS/Washington Alves)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - O governo de Minas Gerais, o Ministério Público e a Advocacia-Geral da União, entre outros órgãos, entraram com petição judicial em que buscam bloquear até 26,68 bilhões de reais em contas da Vale por danos socioeconômicos causados pelo rompimento mortal de uma barragem da companhia em Brumadinho em 2019.

No pleito, ajuizado na 2ª Vara Estadual de Fazenda Pública e Autarquias de Belo Horizonte na terça-feira, os órgãos públicos estaduais e federais solicitam indenizações à mineradora pelas perdas econômicas geradas pelo desastre e também por danos morais coletivos e sociais.

O Ministério Público em Minas Gerais disse que o pedido de bloqueio bilionário tem como base estudo da Fundação João Pinheiro sobre impactos da tragédia, que deixou 270 mortos.

Os procuradores ainda disseram que os danos morais coletivos e sociais foram calculados na ordem de 28 bilhões de reais, para os quais a petição requer indenização ou compensação.

“Este valor corresponde ao lucro líquido distribuído aos acionistas no ano de 2018, montante que poderia ter sido aplicado na garantia da segurança das barragens”, defendeu o MP-MG em nota.

Procurada, a Vale não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre o movimento dos órgãos estatais.

O pedido apresentado nesta semana não impacta processos referentes a outras indenizações coletivas e difusas e nem sobre indenizações individuais, que seguem tramitação normal, acrescentaram os procuradores, destacando que não há interferência também em acordos para pagamento extrajudicial de indenizações já fechados com a Vale.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247