Justiça suspende projeto que corta aumento a servidor

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual; desembargadora diz que a proposta é inconstitucional

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual; desembargadora diz que a proposta é inconstitucional
Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual; desembargadora diz que a proposta é inconstitucional (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio 247 - O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei (PL) 2233/2016 que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual. Segundo a desembargadora Helda Lima Meireles o projeto de lei é inconstitucional.

Segundo a magistrada, a interrupção da tramitação do PL é necessária "antes mesmo e independentemente de sua aprovação ou não" em função do vício de inconstitucionalidade.

Ela também destacou em sua decisão que o projeto proposto pelo governo para tentar conter a crise financeira fluminense não é uma "carta branca" conferida ao Estado.

"O reconhecimento do estado da calamidade pública não é uma simples outorga incondicional, conferindo a qualquer dos poderes da República a possibilidade de desmandos injustificáveis", observou.

"A gestão errônea ou não da coisa pública não pode servir de supedâneo para solapar direitos fundamentais de qualquer cidadão", completou Helda.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email