Justiça suspende projeto que corta aumento a servidor

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual; desembargadora diz que a proposta é inconstitucional

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual; desembargadora diz que a proposta é inconstitucional
Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual; desembargadora diz que a proposta é inconstitucional (Foto: Paulo Emílio)

Rio 247 - O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ determinou a suspensão da tramitação do projeto de lei (PL) 2233/2016 que prevê o corte do aumento salarial dos servidores a cada três anos e que faz parte do pacote de austeridade do governo estadual. Segundo a desembargadora Helda Lima Meireles o projeto de lei é inconstitucional.

Segundo a magistrada, a interrupção da tramitação do PL é necessária "antes mesmo e independentemente de sua aprovação ou não" em função do vício de inconstitucionalidade.

Ela também destacou em sua decisão que o projeto proposto pelo governo para tentar conter a crise financeira fluminense não é uma "carta branca" conferida ao Estado.

"O reconhecimento do estado da calamidade pública não é uma simples outorga incondicional, conferindo a qualquer dos poderes da República a possibilidade de desmandos injustificáveis", observou.

"A gestão errônea ou não da coisa pública não pode servir de supedâneo para solapar direitos fundamentais de qualquer cidadão", completou Helda.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247