Manifestantes fazem ato na Candelária contra reformas da Previdência e trabalhista

Representantes de diversas categorias fazem um protesto na tarde desta quarta-feira (15), na Candelária, no Centro do Rio, como parte da greve geral mobilizada em todo o país contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo governo Michel Temer; centenas de pessoas ocupam a praça, com cartazes e bandeiras. Bancários, professores, engenheiros, petroleiros, portuários, profissionais da área de saúde, representantes do movimento de apoio à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), servidores da Cedae e de outros órgãos estaduais estão entre os que participam do ato

Representantes de diversas categorias fazem um protesto na tarde desta quarta-feira (15), na Candelária, no Centro do Rio, como parte da greve geral mobilizada em todo o país contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo governo Michel Temer; centenas de pessoas ocupam a praça, com cartazes e bandeiras. Bancários, professores, engenheiros, petroleiros, portuários, profissionais da área de saúde, representantes do movimento de apoio à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), servidores da Cedae e de outros órgãos estaduais estão entre os que participam do ato
Representantes de diversas categorias fazem um protesto na tarde desta quarta-feira (15), na Candelária, no Centro do Rio, como parte da greve geral mobilizada em todo o país contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo governo Michel Temer; centenas de pessoas ocupam a praça, com cartazes e bandeiras. Bancários, professores, engenheiros, petroleiros, portuários, profissionais da área de saúde, representantes do movimento de apoio à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), servidores da Cedae e de outros órgãos estaduais estão entre os que participam do ato (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jornal do Brasil - Representantes de diversas categorias fazem um protesto na tarde desta quarta-feira (15), na Candelária, no Centro do Rio, como parte da greve geral mobilizada em todo o país contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo governo Michel Temer.

Centenas de pessoas ocupam a praça, com cartazes e bandeiras. Bancários, professores, engenheiros, petroleiros, portuários, profissionais da área de saúde, representantes do movimento de apoio à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), servidores da Cedae e de outros órgãos estaduais estão entre os que participam do ato.

Desde a manhã desta quarta-feira, quando uma greve de 24 horas foi convocada, protestos foram registrados em todo o país. Os atos foram convocados pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, ligadas à Central Única dos Trabalhadores (CUT), e também contam com apoio de partidos de esquerda e movimentos por moradia. Em São Paulo, a maior parte dos ônibus não circulou, e aqueles que saíram às ruas ficaram lotados.

Já o metrô ficou paralisado durante todo o dia, com exceção da linha 4, que é administrada pela iniciativa privada, e de alguns trechos dos outros ramais. Além disso, metalúrgicos bloquearam a rodovia Presidente Dutra nos arredores de Guarulhos, Taubaté e São José dos Campos. Também há manifestações em cidades como Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Recife e Porto Alegre. Na capital federal, manifestantes do Movimento Sem Terra (MST) ocuparam a sede do Ministério da Fazenda.

Reforma

A reforma da Previdência proposta por Temer aumenta a idade mínima de aposentadoria para 65 anos, tanto para homens quanto para mulheres. Além disso, para receber o teto do benefício, o trabalhador precisará contribuir por pelo menos 49 anos. Apenas militares não serão afetados pelo projeto, que ainda precisa ser aprovada pelo Congresso.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247