'Mostramos nas ruas o que aparece nas pesquisas: a maioria do povo não suporta mais esse desgoverno', diz Molon

Para o deputado federal, a pressão cada vez maior nas ruas pode fazer com que seja "insuportável" para Lira continuar blindando Bolsonaro: "quando tivermos essa maioria na Casa, mesmo que o presidente da Casa resista, essa pressão será insuportável"

www.brasil247.com - Alessandro Molon
Alessandro Molon (Foto: Jaqueline Deister/Reprodução | Vitor Vogel/Brasil de Fato)


247 - O deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), em entrevista à TV 247 durante o ato pelo "Fora Bolsonaro" no Rio de Janeiro neste sábado (2), afirmou que as ruas neste dia ilustraram os números recordes de rejeição a Jair Bolsonaro que aparecem nas pesquisas.

"Começamos a mostrar nas ruas aquilo que já aparece nas pesquisas de opinião há muito tempo. A maioria absoluta do povo brasileiro não suporta mais o desgoverno Bolsonaro, que fez 600 mil vítimas de Covid, 15 milhões de desempregados, fracasso total na economia e a destruição da imagem do país no exterior. Por tudo isso, nós estamos aqui. O ato foi um sucesso e ele é muito importante na caminhada para derrotarmos Bolsonaro", disse.

Perguntado sobre o impacto das mobilizações no presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), responsável por pautar o impeachment, o parlamentar afirmou que, se elevada, a pressão pode chegar a um nível "insuportável", fazendo com que Lira seja obrigado a pautar o afastamento de Bolsonaro. "Certamente a pressão que significa gente na rua, gente pressionando. Isso, certamente, chegará até ele [Lira], mas não apenas até ele, a todos os nossos colegas que ainda resistem a fazer o impeachment do Bolsonaro avançar. Quando tivermos essa maioria na Casa, mesmo que o presidente da Casa resista, essa pressão será insuportável".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email