Padre Julio Lancellotti vence processo contra Bolsonaro

Judiciário do Rio de Janeiro julgou como improcedente ação por danos morais movida por Jair Bolsonaro, quando era deputado, contra o padre Julio Lancelloti, após receber críticas. "Eu fico impressionado de aparecer nas pesquisas uma pessoa homofóbica e violenta como o Bolsonaro, e é seguido por tanta gente no Brasil, isso é vergonhoso", disse o religioso

Júlio Lancellotti e Jair Bolsonaro
Júlio Lancellotti e Jair Bolsonaro (Foto: Brasil 247 | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Marcelo Nobre de Almeida, da 7ª Vara Cível, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, julgou como improcedente ação por danos morais movida por Jair Bolsonaro (sem partido), quando era deputado federal, contra o padre Julio Lancelloti. De acordo com o magistrado, críticas incisivas que não extrapolem os limites do respeito, não podem ser tratadas como danos morais. "O que se verifica foi ter ocorrido uma tentativa de defesa mais veemente de uma outra visão dos temas que eram objeto da pregação e que são diametralmente opostos ao que é utilizado como bandeira pelo demandante", afirmou um trecho da sentença.

Em missa realizada no dia 7 de março, de 2017, o padre Julio Lancellotti fez um discurso em defesa dos pobres, das mulheres e pelo fim da homofobia.  Ao término de sua fala, revelou a sua indignação com a popularidade de Jair Bolsonaro. "Eu fico impressionado de aparecer nas pesquisas uma pessoa homofóbica e violenta como o Bolsonaro, e é seguido por tanta gente no Brasil, isso é vergonhoso", declarou Lancellotti.

Leia a íntegra na Revista Forum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247