Petroleiros entram com ação para barrar venda de campos de petróleo no RJ

O Sindipetro-NF acusa a direção da Petrobras de colocar em risco o patrimônio público com a venda de dois grandes campos "altamente lucrativos". "São mais de 1.500 trabalhadores diretamente impactados”

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF) entrou com uma ação nesta sexta-feira (2) contra a venda dos campos de petróleo de Albacora e Albacora Leste, localizados na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. Os petroleiros afirmam que o ato da estatal “põe em risco o patrimônio público em razão de falta de análise de gestão de crise e de alienação da participação em setores altamente lucrativos” e afeta 1500 trabalhadores.

“É um absurdo a Petrobras vender ativos lucrativos e já amortizados, com capacidade de dar retorno financeiro para a empresa e para os cofres públicos. São campos que geram milhares de empregos, diretos e indiretos. São mais de 1.500 trabalhadores diretamente impactados”, criticou Tezeu Bezerra, coordenador geral do Sindipetro-NF e autor da ação.

A ação argumenta que os dois campos têm alto potencial de produção no pré-sal, admitido pela própria Petrobrás, e que sua venda num momento de alta volatilidade do mercado mundial de petróleo causará prejuízos não somente à empresa mas à cadeia de fornecedores de bens e serviços e à população. “Configura-se, assim, um momento não apenas inoportuno, mas verdadeiramente prejudicial para o interesse público”, diz trecho do recurso.

Leia mais na Fórum.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247