Polícia prende fundador da Ricardo Eletro, amigo íntimo de Luciano Huck: sonegação de R$ 400 milhões

Operação “contra sonegação fiscal "Direto com o Dono”, tem como alvo principal o empresário Ricardo Nunes, que já fez do apresentador e amigo pessoal Luciano Huck o maior garoto-propaganda da rede varejista

Ricardo Nunes, operação contra sonegação fiscal e Luciano Huck
Ricardo Nunes, operação contra sonegação fiscal e Luciano Huck (Foto: Reprodução/Rede Social | Reprodução/TV Globo | World Economic Forum/Sandra Blaser)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O empresário Ricardo Nunes, fundador da rede varejista Ricardo Eletro, foi preso na manhã desta quarta-feira (8) em São Paulo, em uma operação de combate à sonegação fiscal e lavagem de dinheiro em Minas Gerais. A operação “Direto com o Dono”, formada por pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Receita Estadual e Polícia Civil, investiga a sonegação de cerca de R$ 400 milhões. Estão sendo cumpridos três mandados de prisão e 14 de busca e apreensão. 

Ricardo Nunes já fez do amigo pessoal e apresentador Luciano Huck um dos principais garotos-propaganda da rede varejista, chegando a patrocinar quadros de seu programa na televisão. Ele também possui aproximação com o empresário Junior Durski, dono da rede de fast food Madero, que até recentemente teve Huck como um de seus sócios, além do deputado federal Aécio Neves, do empresário Eike Batista e do ex-governador Sérgio Cabral. 

Segundo reportagem do G1, além de Ricardo Nunes, a filha do empresário, Laura Nunes, e o irmão dele, Rodrigo Nunes, também foram presos. Os mandados estão sendo cumpridos nos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima e Contagem, em Minas, além da capital paulista e Santo André. 

Segundo os investigadores, a rede varejista embutia os impostos nos preços dos produtos comercializados, mas não realizava os repasses

De acordo com os investigadores, as empresas da rede de varejo cobravam dos consumidores, embutido no preço dos produtos, o valor correspondente aos impostos, mas não faziam o repasse, ficando com valor.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247