Protestos de caminhoneiros: Empresas de ônibus do Rio devem reduzir frota

O terceiro dia de manifestações nas rodovias do Rio contra o preço do combustível prejudica a entrega de combustível nos postos e empresas de ônibus; empresários já anunciaram que devem reduzir a frota e empresas que não tinham estoque estão recorrendo ao abastecimento em postos de gasolina; prefeitura do Rio aconselha a população a recorrer ao transporte coletivo que não usa diesel, como o metrô, os trens e o VLT

O terceiro dia de manifestações nas rodovias do Rio contra o preço do combustível prejudica a entrega de combustível nos postos e empresas de ônibus; empresários já anunciaram que devem reduzir a frota e empresas que não tinham estoque estão recorrendo ao abastecimento em postos de gasolina; prefeitura do Rio aconselha a população a recorrer ao transporte coletivo que não usa diesel, como o metrô, os trens e o VLT
O terceiro dia de manifestações nas rodovias do Rio contra o preço do combustível prejudica a entrega de combustível nos postos e empresas de ônibus; empresários já anunciaram que devem reduzir a frota e empresas que não tinham estoque estão recorrendo ao abastecimento em postos de gasolina; prefeitura do Rio aconselha a população a recorrer ao transporte coletivo que não usa diesel, como o metrô, os trens e o VLT (Foto: Voney Malta)

Por Vitor Abdala/Agência Brasil - Os caminhoneiros mantêm, pelo terceiro dia consecutivo, as manifestações nas principais rodovias federais do Rio de Janeiro, contra o preço alto do combustível. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, há pelo menos oito pontos de protesto em quatro rodovias que cortam o estado. Segundo a PRF, os manifestantes estão apenas nos acostamentos das estradas e, portanto, não bloqueiam as pistas.

Na BR-101, há dois pontos de protesto: um em Campos, no km 75, e outro em Itaboraí, no km 296. Na BR-116, são três pontos: em Seropédica (km 204) e Barra Mansa (km 276), ambos na Via Dutra, e em Guapimirim (km 104), na Rio-Teresópolis.

Outros pontos de manifestação são: BR-393 (em Paraíba do Sul, no km 182, e, em Volta Redonda, no km 281) e BR-465 (em Nova Iguaçu, no km 17).

O protesto começou no finalzinho da noite de domingo (20), em todo o país.

Consequências

Por causa da manifestação, a entrega de combustível nos postos e empresas de ônibus está sendo prejudicada. Com a falta de combustível, algumas empresas de ônibus anunciaram que devem reduzir a frota hoje no estado.

O RioÔnibus, sindicato que representa as concessionárias de ônibus do município do Rio, informou que ainda não há um balanço sobre a circulação dos coletivos nesta quarta-feria, mas que as concessionárias que tinham estoque de combustível nas suas garagens colocaram as frotas nas ruas. Algumas que não tinham estoque estão recorrendo ao abastecimento em postos de gasolina comuns.

A prefeitura divulgou nota ontem aconselhando a população a recorrer a transporte coletivo de massa, que não usam óleo diesel, como o metrô, os trens e o VLT (bonde que circula no centro da cidade). O MetrôRio, concessionária que administra o metrô, reforçou as equipes nas estações para receber um número maior de passageiros.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247