Rio de Janeiro pagou por leito de hospital de campanha 90% mais caro do que rede privada

O governo do Rio de Janeiro pagou 90% a mais por leito do que a rede privada nos hospitais de campanha inaugurados e efetivamente usados no combate à Covid-19 no estado

Hospital de campanha do Maracanã
Hospital de campanha do Maracanã (Foto: Goverj)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Cada leito de campanha inaugurado pelo governo do estado do Rio de Janeiro  teve custo médio de R$ 581 mil. Já os dois hospitais de campanha financiados e construídos pela Rede D'Or em parceria com empresas tiveram custo médio de R$ 305 mil por leito.

Os hospitais de campanha do Maracanã (zona norte da capital fluminense) e de São Gonçalo, na região metropolitana somadas tinham capacidade para 440 leitos de UTI e internação, voltados exclusivamente a pacientes com Covid-19.

O investimento do governo fluminense foi de R$ 256 milhões para construção e gestão de sete unidades de campanha - além dos dois hospitais que saíram do papel, três não têm previsão de inauguração e outros dois foram abandonados na fase de obras.

O governo escolheu o Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde) para construir e gerir os hospitais de campanha. O custo médio de R$ 581 mil por leito envolve equipamentos, insumos, profissionais de saúde e a própria construção da estrutura das unidades. A maior parte dos leitos prometidos não foram entregues, o que encarece o valor médio.

Os R$ 256 milhões repassados ao Iabas são uma parte do valor total do contrato firmado pela gestão Witzel com a organização social. Originalmente, os sete hospitais de campanha deveriam totalizar 1.300 leitos e o valor total pago chegaria a R$ 770 milhões. O governador, no entanto, rompeu o contrato no início do mês.

Com 400 leitos somados, os dois hospitais de campanha financiados e construídos pela Rede D'Or em parceria com empresas custaram R$ 122 milhões —o que leva a um custo médio de R$ 305 mil por leito. Os valores consideram a construção, compra de equipamentos e insumos, além da administração de toda a estrutura e das folhas de pagamento.

Esses leitos passaram a integrar o SISReg (Sistema de Regulação) do município e foram colocados à disposição dos pacientes com Covid-19 por meio do SUS (Sistema Único de Saúde).

As informações são do UOL  

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247