Skaf vira réu por propina de R$ 5,1 milhões da Odebrecht

Um dos articuladores do golpe de 2016, com seu pato amarelo, e um dos mais fiéis aliados bolsonaristas, Paulo Skaf, presidente da Fiesp, virou réu por R$ 5,1 milhões em propinas e caixa dois da empreiteira Odebrecht, durante a campanha de 2014, ao governo do estado de São Paulo pelo MDB

Paulo Skaf
Paulo Skaf (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Marco Antonio Martin Vargas, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, aceitou a denúncia do Ministério Público Eleitoral contra o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (MDB), por R$ 5,1 milhões em propinas e caixa dois da empreiteira Odebrecht, durante a campanha de 2014, ao governo do Estado. Segundo a construtora, os pagamentos a Skaf teriam sido feitos sob os codinomes ‘Kibe’ e ‘Tabule’. Em uma das entregas registradas pela empresa, e pela transportadora, no dia 21 de agosto de 2014, teria sido na Avenida Ibirapuera, 2927, onde fica o Hotel Bourbon.

Ao abrir a ação, o magistrado apontou elementos que constituem um "conjunto de indícios, por ora, capaz de reforçar a convicção sobre o envolvimento dos denunciados no complexo esquema de pagamento de propina, omissão de dados à Justiça Eleitoral e lavagem de capitais, supostamente erigido para dissimular os fins ilícitos dos grupos políticos e empresariais apontados".

O MP usou elementos de prova originados da Operação Lava Jato para sustentar a denúncia. São delações da Odebrecht, conversas registradas de funcionários da transportadora de valores Transnacional, que entregava o dinheiro em espécie, e mensagens do doleiro Álvaro Novis.

Além de Skaf e Novis, a denúncia também atinge o marqueteiro de campanhas Duda Mendonça, seu filho, Alexandre Mendonça, o publicitário Paulo Luciano Tenuto Rossi, o ‘Palu’, o presidente da empreiteira, Marcelo, e três ex-executivos ligados à construtora.

De acordo com relatos do blog do Fausto Macedo, a defesa de Paulo Skaf, uma vez mais, apontou "o caráter completamente infundado da acusação que lhe foi dirigida pelo Ministério Público Eleitoral". 

"A defesa informa que está à disposição da Justiça e que todas as doações recebidas pela campanha de Skaf ao governo de São Paulo em 2014 estão devidamente registradas na Justiça Eleitoral, que aprovou sua prestação de contas sem qualquer reparo de mérito", continuou. 

"Paulo Skaf reitera que ele nunca pediu e nem autorizou ninguém a pedir qualquer contribuição de campanha que não as regularmente declaradas. Salienta, uma vez mais, a absoluta confiança no Poder Judiciário, o qual restabelecerá a verdade neste caso".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247