Suspeito de pagar propina para trazer Rio 2016 faturou quase R$ 3 bi na gestão Cabral

"Rei Arthur", como é conhecido por sua proximidade com o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), faturou cerca de R$ 3 bilhões em contratos assinados com o governo do Rio, durante os dois governos de Cabra; reportagem desta sexta-feira, 3, do jornal Le Monde aponta empresário Arthur Cesar Menezes Soares Filho como suspeito de ter pago propina de US$ 1,5 milhão ao filho de um dirigente do Comitê Olímpico Internacional (COI) três dias antes da escolha do Rio como sede das Olimpíadas de 2016

"Rei Arthur", como é conhecido por sua proximidade com o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), faturou cerca de R$ 3 bilhões em contratos assinados com o governo do Rio, durante os dois governos de Cabra; reportagem desta sexta-feira, 3, do jornal Le Monde aponta empresário Arthur Cesar Menezes Soares Filho como suspeito de ter pago propina de US$ 1,5 milhão ao filho de um dirigente do Comitê Olímpico Internacional (COI) três dias antes da escolha do Rio como sede das Olimpíadas de 2016
"Rei Arthur", como é conhecido por sua proximidade com o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), faturou cerca de R$ 3 bilhões em contratos assinados com o governo do Rio, durante os dois governos de Cabra; reportagem desta sexta-feira, 3, do jornal Le Monde aponta empresário Arthur Cesar Menezes Soares Filho como suspeito de ter pago propina de US$ 1,5 milhão ao filho de um dirigente do Comitê Olímpico Internacional (COI) três dias antes da escolha do Rio como sede das Olimpíadas de 2016 (Foto: Aquiles Lins)

Rio 247 - Apontado em reportagem do jornal francês Le Monde como suspeito de ter pago US$ 1,5 milhão ao filho de um integrante do COI (Comitê Olímpico Internacional) durante o processo de escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016 (leia aqui), o empresário Arthur Cesar Menezes Soares Filho é um dos alvos da operação Calicute, braço da Lava Jato no Rio. 

"Rei Arthur", como é conhecido por sua proximidade com o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), faturou cerca de R$ 3 bilhões em contratos assinados com o governo do Rio, durante os dois governos de Cabral. As informações são da Folha de S. Paulo

Em janeiro, o empresário prestou depoimento aos procuradores da Calicute e afirmou ser amigo pessoal do ex-governador, preso no ano passado. Na investigação, os procuradores constataram repassas de empresas de Soares Filho de cerca de R$ 1 milhão para o escritório de advocacia de Adriana Ancelmo, esposa de Cabral.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247