Witzel é vaiado e chamado de ladrão por trabalhadores

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, foi vaiado na manhã deste sábado (18) por trabalhadores, que também entoaram gritos de "ladrão", e recebeu poucos aplausos de apoiadores

Wilson Witzel
Wilson Witzel (Foto: Fernando Frazão - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “Ao ser questionado na manhã deste sábado sobre o fechamento dos hospitais de campanha do Rio, o governador Wilson Witzel (PSC) afirmou que isso deveria ser perguntado ao secretário de Saúde do estado, Alex Bousquet. Witzel deu a declaração durante um evento na Ceasa, em Irajá, na Zona Norte do Rio”, relata o jornalista Bernardo Mello Franco, em coluna no jornal O Globo. 

O jornalista acrescenta que, “ao chegar na central de abastecimento, o governador foi vaiado por trabalhadores, que também entoaram gritos de 'ladrão', e recebeu poucos aplausos de apoiadores. Os pacientes dos hospitais de campanha começaram a ser transferidos para outras unidades nessa sexta-feira”.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247