Delatores citam propina da Braskem, da Odebrecht

Segundo depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, a petroquímica controlada pela empresa de Marcelo Odebrecht teria pago em média US$ 5 milhões por ano para comprar matéria-prima mais barata da Petrobras entre 2006 e 2012

Segundo depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, a petroquímica controlada pela empresa de Marcelo Odebrecht teria pago em média US$ 5 milhões por ano para comprar matéria-prima mais barata da Petrobras entre 2006 e 2012
Segundo depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, a petroquímica controlada pela empresa de Marcelo Odebrecht teria pago em média US$ 5 milhões por ano para comprar matéria-prima mais barata da Petrobras entre 2006 e 2012 (Foto: Roberta Namour)

247 – O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef citaram o envolvimento da Braskem, controlada pela Odebrecht, no esquema de pagamento de propina.

A petroquímica teria pago em média US$ 5 milhões por ano para comprar matéria-prima mais barata da Petrobras entre 2006 e 2012.

De acordo com o ex-diretor, os pagamentos eram feitos no exterior e se misturavam com recursos depositados pela empreiteira de Marcelo Odebrecht. As empresas negam as transações.

A Odebrecht foi mencionada várias vezes nos acordos de delação premiada, mas ainda continua poupada das ações do juiz da Lava Jato Sérgio Moro.

Em um dos trechos, Costa disse que recebeu US$ 31,5 milhões da construtora a título de manter a "política de bom relacionamento" que mantinha com a empreiteira no período em que foi dirigente da estatal.

Leia aqui reportagem de David Friedlanderde sobre o assunto.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247