Deltan: “Se cabem buscas nas favelas, cabem do Congresso”

O pedido de mandados de busca e prisão coletivos para o Exército na intervenção militar do Rio de Janeiro foi criticado pelo procurador Deltan Dallagnol; "Se cabem buscas e apreensões gerais nas favelas do Rio, cabem também nos gabinetes do Congresso. Aliás, as evidências existentes colocam suspeitas muito maiores sobre o Congresso, proporcionalmente, do que sobre moradores das favelas, estes inocentes na sua grande maioria", afirmou o procurador nesta terça-feira, 20, em sua página no Twitter

O procurador da República Deltan Dallagnol, que integra o núcleo da Operação Lava Jato, participa de lançamento, no Rio, do projeto 10 Medidas Contra a Corrupção, do MPF (Vladimir Platonow/Repórter da Agência Brasil)
O procurador da República Deltan Dallagnol, que integra o núcleo da Operação Lava Jato, participa de lançamento, no Rio, do projeto 10 Medidas Contra a Corrupção, do MPF (Vladimir Platonow/Repórter da Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)

Paraná 247 - O pedido de mandados de busca e prisão coletivos para o Exército na intervenção militar do Rio de Janeiro foi criticado pelo procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato.

A medida foi comentada por Deltan, no Twitter, nesta terça-feira, 20. "Se cabem buscas e apreensões gerais nas favelas do Rio, cabem também nos gabinetes do Congresso. Aliás, as evidências existentes colocam suspeitas muito maiores sobre o Congresso, proporcionalmente, do que sobre moradores das favelas, estes inocentes na sua grande maioria", afirmou o procurador.

Em nota, o Ministério da Defesa afirmou que a ideia do mandado coletivo foi discutida durante reunião do presidente Michel Temer com os Conselhos de Defesa Nacional e da República. Os pedidos são limitados a busca e apreensão, pois os de captura, pela Constituição, têm de ser apresentados individualmente.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247