Deputado bolsonarista diz que toda mulher gosta de sofrer assédio e admite já ter assediado 'muitas mulheres'

O deputado estadual Jessé Lopes (PSL-SC) criticou a campanha do “Não é Não” promovida por feministas durante o Carnaval para combater o assédio e confessou já ter assediado “muitas mulheres quando solteiro”. "Quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser ‘assediado(a)’?", questionou o parlamentar

Deputado Jessé Lopes
Deputado Jessé Lopes (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado estadual Jessé Lopes (PSL-SC) criticou a campanha do “Não é Não” promovida por feministas durante o Carnaval para combater o assédio, disse que toda mulher gosta de ser assediada e confessou já ter assediado “muitas mulheres quando solteiro”.

“Não sejamos hipócritas! Quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser ‘assediado(a)’? Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude”, escreveu o parlamentar no Facebook.

“Após as mulheres já terem conquistado todos os direitos necessários, inclusive tendo até, muitas vezes, mais direitos que os homens, hoje as pautas feministas visam em seus atos mais extremistas tirar direitos. Como, por exemplo, essa em questão, o direito da mulher poder ser ‘assediada’ (ser paquerada, procurada, elogiada…). Parece até inveja de mulheres frustradas por não serem assediadas nem em frente a uma construção civil. Toda mulher sabe lidar com assédio”, continuou, em seu post.

Em outras mensagens na rede social, ele ameaçou um internauta que fazia cobranças a ele sobre o tema e admitiu já ter assediado muitas mulheres, confessando, portanto, um crime. "Eu já assediei muitas mulheres quando solteiro. Fui insistente até conseguir. Muitas disseram não na primeira oportunidade, mas com uma insistência respeitosa e divertida, acabava que conseguindo o que eu queria", disse.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247