Força Tarefa da Lava Jato pode ser alvo de delação

Ampla reportagem do jornalista Marcelo Áuler detalha um possível acordo para que Meire Bonfim da Silva Poza, a ex-contadora de Alberto Youssef e que praticamente trabalhou como “infiltrada” para a Polícia Federal na Operação Lava Jato, conte o que sabe sobre supostas práticas ilegais na mais rumorosa investigação dos últimos tempos; depois que seu escritório foi incendiado, Meire pensa em pedir segurança ao governo para ela e a filha; fala ainda em ingressar em um programa de proteção a testemunhas; “Ela está bastante temerosa com relação à integridade pessoal e de sua filha”, explicou o advogado paranaense Haroldo Náter, que a representa na Justiça de Curitiba

Ampla reportagem do jornalista Marcelo Áuler detalha um possível acordo para que Meire Bonfim da Silva Poza, a ex-contadora de Alberto Youssef e que praticamente trabalhou como “infiltrada” para a Polícia Federal na Operação Lava Jato, conte o que sabe sobre supostas práticas ilegais na mais rumorosa investigação dos últimos tempos; depois que seu escritório foi incendiado, Meire pensa em pedir segurança ao governo para ela e a filha; fala ainda em ingressar em um programa de proteção a testemunhas; “Ela está bastante temerosa com relação à integridade pessoal e de sua filha”, explicou o advogado paranaense Haroldo Náter, que a representa na Justiça de Curitiba
Ampla reportagem do jornalista Marcelo Áuler detalha um possível acordo para que Meire Bonfim da Silva Poza, a ex-contadora de Alberto Youssef e que praticamente trabalhou como “infiltrada” para a Polícia Federal na Operação Lava Jato, conte o que sabe sobre supostas práticas ilegais na mais rumorosa investigação dos últimos tempos; depois que seu escritório foi incendiado, Meire pensa em pedir segurança ao governo para ela e a filha; fala ainda em ingressar em um programa de proteção a testemunhas; “Ela está bastante temerosa com relação à integridade pessoal e de sua filha”, explicou o advogado paranaense Haroldo Náter, que a representa na Justiça de Curitiba (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “Parece algo surreal, mas é possível que ocorra. Na Operação Lava Jato, que ao longo dos últimos 25 meses apoiou grande parte do seu trabalho em 49 delações premiadas, conquistadas, segundo denúncias, com a pressão das prisões preventivas e de outras ameaças, o feitiço poderá virar contra o feiticeiro.” A constatação é do jornalista Marcelo Áuler, em ampla reportagem publicada no seu blog neste sábado (30).

Meire Bonfim da Silva Poza, a ex-contadora de Alberto Youssef e que praticamente trabalhou como “infiltrada” para a Polícia Federal na Operação LavaJato, pensa em pedir segurança ao governo para ela e a filha. Ela fala ainda em ingressar em um programa de proteção a testemunhas. Ala avalia narrar tudo o que sabe, para justificar o risco que diz correr. Falar, inclusive, da sua colaboração à Força Tarefa que, certamente, também será alvo das delações.

“Ela está meio assustada, pois há indícios de que o incêndio (do escritório dela) foi criminoso. Está pretendendo, inclusive, ir ao ministro da Justiça para, de certa forma, pedir que seja inserida em um programa de proteção de testemunha. Está bastante temerosa com relação à integridade pessoal e de sua filha”, explicou o advogado paranaense Haroldo Náter, que a representa na Justiça de Curitiba, a Marcelo Auler, que publica o texto no blog Marcelo Auler Repórter.

Meire ficou assustada com um incêndio que destruiu todo o seu escritório na Avenida Santo Amaro, no bairro do Itaim-Bibi, zona Sul da capital paulista, no dia 30 de março. Mas, o que deve ter levado Meire a pensar em pedir proteção, diz o repórter, foi a divulgação de uma série de mensagens que ela trocou com a Polícia Federal, servindo de informante da mesma na Operação Lava Jato.

“Se ela pedirá mesmo proteção, só o tempo dirá. É tudo muito estranho, uma vez que Náter esteve com o ministro da Justiça. Eugênio Aragão, no dia 14 de abril, levado pelos deputados petistas Afonso Florence (BA) e Wadih Damous (RJ). Foi lá entregar os documentos que a cliente acumulou, durante os meses de colaboração com a Superintendência Regional do Departamento de Polícia Federal do Paraná (SR/DPF/PR). No entanto, ao blog, ele negou este encontro e disse que outro advogado é quem teria estado em Brasília. Da mesma forma que negou possuir os documentos, alegando que eles estavam em um computador que queimou no incêndio. Mas os entregou ao ministro, na audiência que consta oficialmente da agenda. Com Aragão, Náter não falou em proteção para a sua cliente”, relata Auler.

Os papéis e o arquivo digital de Meire Posa conteriam conversas que ela teria mantido por aplicativos telefônicos com delegados e também procuradores do Ministério Público Federal de Curitiba. É o material que a revista CartaCapital também recebeu e publicou parte dele na edição que circulou a partir de sexta-feira passada (22/04), na matéria “Os segredos de Meire“.

“Através das mensagens que Meire trocou com policiais e procuradores, notadamente com o então chefe da Operação Lava Jato no DPF, delegado, Marcio Anselmo Adriano, confirma-se – com riqueza de detalhes e novas revelações – que a Polícia Federal e o próprio Ministério Público Federal – pela Constituição, fiscal da lei e das atividades policiais – utilizaram métodos nada ortodoxos e até ilegais”, escreve o jornalista.

Nas mensagens, segundo a revista, há referência a políticos investigados irregularmente, a começar pelos ex-deputados – hoje condenados – André Vargas (PT-PR) e Luiz Argolo (SD-BA). No blog também os apontamos como alvo das investigações ilegais, sem o conhecimento do Supremo Tribunal Federal (STF), na matéria Lava Jato: surge nova denúncia de irregularidade.

“Eram os usuários dos celulares de cujos números os operadores da Lava Jato tentaram obter dados sobre as contas – como a relação das ligações feitas e recebidas – com o chamado ‘Alvará Metropolitano’. Trata-se de uma autorização do juiz estadual, José Orlando Cerqueira Bremer, ex-titular da Vara de Pinhais, aos policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) para investigação do tráfico de drogas na região. Ao saber da tentativa de uso da sua autorização pelos operadores da Lava Jato, o juiz se disse traído. O que os policiais federais não contavam era a recusa da operadora em repassar as informações por serem celulares corporativos da Câmara, logo com direito a foro especial.”

Com base nos diálogos travados entre a contadora e os operadores da Lava Jato, descreve o jornalista, CartaCapital relacionou ainda como alvos da polícia federal do Paraná, sem autorização do STF, a então deputada Aline Corrêa, do PRB, e os senadores Cícero Lucena, do PSDB, e Gim Argello, do PTB. Argello acabou preso, no último dia 12 de abril, com um mandado de prisão expedido pelo ministro Teori Zavascki.

“Pelo teor destas trocas de mensagens, não é difícil imaginar que Meire se sinta ameaçada e possa realmente querer proteção para si e para a filha. Todo este jogo é muito pesado. Ela já suspeita do incêndio que destruiu seu escritório. Por isso, aliás, há policiais sugerindo que ela faça a denúncia diretamente à Corregedoria, em Brasília, e grave tudo o que falar, para ter certeza que colocarão no papel. O que não parece mais restar dúvidas é que, como estamos afirmando há muito tempo, nos tribunais superiores a legalidade de, pelo menos, parte da Operação Lava Jato será questionada”, avalia Marcelo Auler.

Leia aqui a íntegra da reportagem

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email