Gaeco deflagra a quarta fase da Operação Publicano

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a quarta fase da Operação Publicano em Curitiba e em Londrina, norte do estado, para combater um esquema de corrupção descoberto na Receita Estadual do Paraná; foram expedidos mais de 100 mandados judiciais, sendo 47 de prisão, 52 de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, e 49 de busca e apreensão

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a quarta fase da Operação Publicano em Curitiba e em Londrina, norte do estado, para combater um esquema de corrupção descoberto na Receita Estadual do Paraná; foram expedidos mais de 100 mandados judiciais, sendo 47 de prisão, 52 de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, e 49 de busca e apreensão
O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a quarta fase da Operação Publicano em Curitiba e em Londrina, norte do estado, para combater um esquema de corrupção descoberto na Receita Estadual do Paraná; foram expedidos mais de 100 mandados judiciais, sendo 47 de prisão, 52 de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, e 49 de busca e apreensão (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a quarta fase da Operação Publicano em Curitiba e em Londrina, norte do estado, para combater um esquema de corrupção descoberto na Receita Estadual do Paraná.

Foram expedidos mais de 100 mandados judiciais, sendo 47 de prisão, 52 de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, e 49 de busca e apreensão. 

Segundo o Ministério Público (MP-PR), a nova etapa da Publicano está ligada a fatos ocorridos entre 2008 e 2014 não apurados nas fases antecedentes.

As investigações apontam que os auditores fiscais não faziam as fiscalizações corretamente e não autuavam as sonegações. Depois, a quadrilha cobrava propina dos empresários para anular débitos e reduzir, por meio de fraudes, o valor dos impostos.

Em depoimentos, alguns investigados disseram que parte do dinheiro desviado era destinada a campanha do governador do Paraná Beto Richa (PSDB). O tucano nega a acusação.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247