Gaeco mira Secretaria de Urbanismo em Curitiba

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) faz uma operação contra irregularidades na concessão de alvarás na Secretaria de Urbanismo de Curitiba; as ordens judiciais foram cumpridas na capital e em Colombo, na região metropolitana; pessoas ligadas a funcionários demitidos da pasta teriam recebido vantagens indevidas com o objetivo de facilitar trâmites burocráticos para liberação de alvarás e licenciamentos e transferência de imóveis, apontaram as investigações


O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) faz uma operação contra irregularidades na concessão de alvarás na Secretaria de Urbanismo de Curitiba; as ordens judiciais foram cumpridas na capital e em Colombo, na região metropolitana; pessoas ligadas a funcionários demitidos da pasta teriam recebido vantagens indevidas com o objetivo de facilitar trâmites burocráticos para liberação de alvarás e licenciamentos e transferência de imóveis, apontaram as investigações
O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) faz uma operação contra irregularidades na concessão de alvarás na Secretaria de Urbanismo de Curitiba; as ordens judiciais foram cumpridas na capital e em Colombo, na região metropolitana; pessoas ligadas a funcionários demitidos da pasta teriam recebido vantagens indevidas com o objetivo de facilitar trâmites burocráticos para liberação de alvarás e licenciamentos e transferência de imóveis, apontaram as investigações (Foto: Leonardo Lucena)

Paraná 247 - O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) fez na manhã desta sexta-feira (1º) uma operação contra irregularidades na concessão de alvarás na Secretaria de Urbanismo de Curitiba. As ordens judiciais foram cumpridas na capital e em Colombo, na região metropolitana. Pessoas ligadas a funcionários demitidos da pasta teriam recebido vantagens indevidas com o objetivo de facilitar trâmites burocráticos para liberação de alvarás e licenciamentos e transferência de imóveis, apontaram as investigações.

O Gaeco apura se essas pessoas interferiam nas autorizações ou se apenas solicitavam e recebiam dinheiro para auxiliarem nas liberações. 

A Justiça expediu oito mandados de prisão temporária, sete de condução coercitiva, quando a pessoa é levada para prestar depoimento, e 12 de busca e apreensão. 

Os investigados devem responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, associação criminosa, concussão e tráfico de influência.

Conforme o G1, o secretário de urbanismo Marcelo Ferraz Cesar afirmou que a Prefeitura de Curitiba está colaborando com as investigações. "Antes de assumirmos a gestão já haviam ruídos e boatos que existiam casos anômalos dentro da aprovação de projetos ou liberações. Nós estamos colaborando de maneira plena para as investigações", disse.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247