Moro bloqueia R$ 16 milhões de Gim Argelo

Juiz federal Sérgio Moro determinou nesta terça-feira, 12, o bloqueio de ao todo R$ 16,06 milhões das contas e aplicações financeiras do ex-senador Gim Argello (PTB-DF) e de empresas em ele é sócio; Gim foi preso preventivamente nesta manhã, durante a 28ª fase da Lava Jato, acusado de cobrar pelo menos R$ 5,35 milhões em propina da UTC Engenharia e da OAS para evitar convocações de executivos na CPI da Petrobras; recursos foram enviados a partidos indicados por Gim – DEM, PR, PMN e PRTB – na forma de doações de campanha aparentemente legais

Juiz federal Sérgio Moro determinou nesta terça-feira, 12, o bloqueio de ao todo R$ 16,06 milhões das contas e aplicações financeiras do ex-senador Gim Argello (PTB-DF) e de empresas em ele é sócio; Gim foi preso preventivamente nesta manhã, durante a 28ª fase da Lava Jato, acusado de cobrar pelo menos R$ 5,35 milhões em propina da UTC Engenharia e da OAS para evitar convocações de executivos na CPI da Petrobras; recursos foram enviados a partidos indicados por Gim – DEM, PR, PMN e PRTB – na forma de doações de campanha aparentemente legais
Juiz federal Sérgio Moro determinou nesta terça-feira, 12, o bloqueio de ao todo R$ 16,06 milhões das contas e aplicações financeiras do ex-senador Gim Argello (PTB-DF) e de empresas em ele é sócio; Gim foi preso preventivamente nesta manhã, durante a 28ª fase da Lava Jato, acusado de cobrar pelo menos R$ 5,35 milhões em propina da UTC Engenharia e da OAS para evitar convocações de executivos na CPI da Petrobras; recursos foram enviados a partidos indicados por Gim – DEM, PR, PMN e PRTB – na forma de doações de campanha aparentemente legais (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O juiz federal Sérgio Moro determinou nesta terça-feira, 12, o bloqueio de R$ 5,35 milhões das contas e aplicações financeiras do ex-senador Gim Argello (PTB-DF), que foi preso preventivamente nesta manhã, durante a 28ª fase da Lava Jato.

Moro também determinou o bloqueio do mesmo valor de bens das empresas Argelo & Argelo Ltda, Garantia Imóveis Ltda, além de outros R$ 5,35 milhões da Solo – Investimentos e Participações Ltda. Todas estas empresas ficam em Brasília e têm o ex-senador Gim Argello como sócio. O valor total de bloqueio nas três empresas é de R$ 16,05 milhões.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Gim Argello é suspeito de cobrar pelo menos R$ 5,35 milhões em propina da UTC Engenharia e da OAS para evitar convocações de executivos na CPI da Petrobras. Os recursos foram enviados a partidos indicados por Gim – DEM, PR, PMN e PRTB – na forma de doações de campanha aparentemente legais.

Moro também pediu o bloqueio de R$ 5,35 milhões de Paulo Cesar Roxo Ramos, assessor de Gim, que foi preso temporariamente nesta nova etapa da operação. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247