Polícia executa jovens em Curitiba e atira em moradores que faziam protesto

Quatro jovens moradores do bairro de Parolin (PR) foram executados a tiros pela polícia, sem nenhuma abordagem anterior. A polícia alega que houve perseguição e troca de tiros, pois o carro era roubado. Quando os moradores faziam um protesto pacífico, a polícia chegou atirando bala de borracha e feriu várias pessoas que ali estavam

Ana Carolina Caldas, Brasil de Fato - Na noite deste sábado, 28, quatro jovens moradores do Parolin foram executados a tiros pela polícia, sem nenhuma abordagem anterior. A polícia alega que houve perseguição e troca de tiros, pois o carro era roubado. Já os moradores dizem que os jovens não estavam armados e que foram executados ajoelhados.

Os moradores do Parolin, perto das 20h, fecharam ruas em protesto contra o que consideraram execução a tiros pela polícia. Uma das moradoras à frente do protesto disse que os jovens não reagiram, que não houve confronto e somente perseguição policial. “Existem vídeos que mostram duas crianças, um deles de 14 anos, ajoelhado com as mãos para cima e foram executados assim pela polícia,” disse a moradora que não quis se identificar.

A mãe de um dos jovens que morreu disse que a execução foi a sangue frio e pediu justiça. “Eu tenho vídeo gravado eles executando meus filhos. Estavam num carro que era roubado, mas não sabiam. Emprestaram o carro. Fazia 4 dias que esse carro estava roubado e não sabiam. A policia nem abordou, fizeram perseguição. Meu filho tem 14 anos e outro tem 16 anos.. Quero justiça.” Em um post na internet,amigos dos meninos fizeram uma homenagem citando os nomes de Eduardo Augusto, Felipe Bueno de Almeida, Gustavo Bueno e Lele.

Policia fere moradores que estavam protestando

Ao longo da noite, quando os moradores faziam um protesto pacífico, a polícia chegou atirando bala de borracha e feriu várias pessoas que ali estavam. Uma jovem moradora do bairro que não quis se identificar falou com a redação do Brasil de Fato Paraná e relatou que foi ferida no braço e nas costas com bala de borracha e disse que o local virou uma praça de guerra. "Neste momento a polícia está entrando e atirando dentro da vila," disse.  Imagens chegaram também com ferimentos de outros moradores que foram atingidos por balas de borracha. Até o fechamento da matéria, a polícia continuava atirando contra os moradores

Conheça a TV 247

Mais de Sul

Ao vivo na TV 247 Youtube 247