Tijolaço aponta os escombros da Lava Jato

"Aniquila-se a indústria do petróleo, mas não se investiu contra ladrões públicos, quase todos eles soltos, gozando de suas casas de praia, de campo, de seus condomínios privados. Nossa mídia e nossos juízes se comprazem morbidamente, como idiotas, da aniquilação de uma indústria imensa, de cujos escombros fazem o patamar de sua autoglorificação. Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Coreia, Japão, nenhum deles misturou falcatruas governamentais e empresariais com a sobrevivência de suas próprias indústrias", diz Fernando Brito, editor do Tijolaço

Operário checa amostra de petróleo na plataforma Cidade Angra dos Reis, no campo de Lula, a cerca de 300 km da costa do Rio de Janeiro. A Petrobras vai aumentar a produção neste ano com a operação de projetos atrasados e a entrada de plataformas previstas
Operário checa amostra de petróleo na plataforma Cidade Angra dos Reis, no campo de Lula, a cerca de 300 km da costa do Rio de Janeiro. A Petrobras vai aumentar a produção neste ano com a operação de projetos atrasados e a entrada de plataformas previstas (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

braskem1

Aí em cima, recortes do jornais de hoje, apenas de hoje.

Bastam para desenhar o cenário de devastação do que era, até pouco tempo atrás, a área mais promissora da economia brasileira: o setor de petróleo.

O que deveria ser uma desaceleração temporária, por conta da queda do preço do barril de petróleo, virou uma destruição permanente, uma alienação das riquezas acumuladas por décadas pelo Brasil, o aniquilamento de cidades inteiras que se erguiam com a indústria petrolífera, de  indústrias enormes de navios e equipamentos que a exploração do petróleo, cujo volume ainda cresce pelo que se fez no passado, mas cairão, inexoravelmente, pelo que não se faz hoje.

Porque petróleo não se acha nem se extrai sem perfurar poços, mas isso é um absurdo na “nova Petrobras”. Deixem tudo lá, até que possam chegar os estrangeiros, que por enquanto estão um pouco “apertados” de grana.

Aniquila-se a indústria do petróleo, mas não se investiu contra ladrões públicos, quase todos eles soltos, gozando de suas casas de praia, de campo, de seus condomínios privados.

Nossa mídia e nossos juízes se comprazem morbidamente, como idiotas, da aniquilação de uma indústria imensa, de cujos escombros fazem o patamar de sua autoglorificação.

Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Coreia, Japão, nenhum deles misturou falcatruas governamentais e empresariais com a sobrevivência de suas próprias indústrias.

Aqui, vitais apenas são os privilégios, as pompas, o “sabe com quem está falando” de uma subnobreza imbecil, cuja cabeça tem mais de um século atrás, porque só vê futuro numa colônia, não num país.

Mas tudo vai ficar bem: vamos sucatar os já precários hospitais, as já precárias universidades, vamos tirar um pouco mais dos pobres e um tanto mais dos trabalhadores e provar aos senhores do mundo que somos responsáveis e “limpinhos”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247